por - Sep 9, 2016

Alone With You Análise

Não é segredo nenhum que a cena independente da indústria dos videojogos, tal como sucede noutros meios de entretenimento, é responsável pela entrega de algumas das suas experiências mais curiosas e interessantes. Seja através da oferta de obras que não seguem os padrões habituais dos títulos que movimentam vários milhões ou através da redução da experiência jogável ao seu estado mais puro, isto é, colocando a jogabilidade acima de tudo o resto, o panorama indie da indústria continua a ser uma fonte de interesse e qualidade.

Alone_with_youpng.jpg

Como tantos outros, Benjamin Rivers é um produtor independente que vai procurando encontrar o seu espaço na indústria, lançando obras que, mesmo sem uma poderosa campanha de marketing em seu auxílio, conseguiram captar a atenção de muitos jogadores devido às experiências diferentes que oferecem. Home, o seu título de estreia, foi um título de terror psicológico aclamado pela crítica e provou que não são precisos gráficos realistas ou violência excessiva para criar uma experiência repleta de suspense, tensão e atmosfera.

Alone with you 2.png

Volvidos alguns anos e o mesmo produtor traz agora Alone With You para o mercado. Descrito pelo próprio como um romance de ficção científica, o segundo projeto de Rivers volta a focar as suas atenções na narrativa, substituindo o terror do seu primeiro título pela solidão de uma aventura num planeta hostil e deserto. Tal como o nome indica, a solidão é um dos principais elementos da experiência e a obra consegue transmitir esse sentimento com bastante eficácia, sendo apenas de lamentar que os restantes objetivos propostos pelo jogo não sejam atingidos com a mesma qualidade.

Alone With You conta a história de um colonista preso num planeta hostil prestes a destruir-se depois do processo de transformação do planeta num ambiente habitável para os humanos ter falhado e causado um evento de dimensões catastróficas, levando à perda de contacto com os vários elementos e secções da colónia. Acompanhado pela inteligência artificial responsável pela manutenção do funcionamento dos diferentes departamentos, o protagonista terá de utilizar uma máquina de simulação holográfica para obter conhecimentos dos quatro líderes da colónia, entretanto desaparecidos, de forma a ativar a nave de fuga.

Alone with you 3.png

Durante três semanas no planeta, o jogador será enviado para explorar as torres de comunicação, as minas de exploração de recursos, a colónia B e o laboratório biológico com vista a obter os recursos necessários para que a nave de fuga funcione em condições e também para obter informações sobre o que aconteceu aos seus colonistas após a perda de comunicações. Para além disso, o protagonista terá também oportunidade de conversar com as versões holográficas dos líderes da colónia com vista a incentivá-los a solucionar os problemas que estão a travar a nossa fuga deste planeta.

Ao contrário do título anterior do produtor, Alone With You coloca um maior ênfase na jogabilidade, utilizando-a para servir de forma mais significativa a narrativa. Durante a maior parte do vosso tempo com a obra, o objetivo passará por explorar os diferentes ambientes, colecionando assim informação importante sobre o que aconteceu aos colonistas, as relações nem sempre amigáveis que mantinham entre si e também os projetos em que estavam a trabalhar para assegurar a sua sobrevivência e possível resgate. Com alguns puzzles ocasionais pelo caminho, a exploração é um método claramente eficaz para nos contar a história e para nos manter interessados naquilo que estamos a fazer, ou seja, a exploração tem um propósito.

Alone with you 4.png

Apenas se lamenta o facto de a obra seguir uma sequência de eventos demasiado repetitiva e que faz com que esta nunca seja capaz nos surpreender verdadeiramente ou impedir que os seus processos caiam numa inevitável monotonia. Quando não estiverem a explorar, o título colocar-vos-á em conversas com os quatro colonistas mais importantes para o funcionamento da colónia, conversas essas que envolvem opções de diálogo e que nos oferecem uma perspetiva alternativa em relação a estas personagens do que aquela que nos chega a partir da exploração dos cenários.

O problema é que para o título ter o impacto desejado, o jogador tem de estabelecer uma ligação emocional com estas personagens, algo que nunca acontece verdadeiramente. Tendo em conta o pouco tempo que passam com elas e o facto de não serem particularmente interessantes, o impacto das decisões finais que a obra coloca à nossa disposição é mínimo e acaba por ser a principal prova do seu fracasso em fazer-nos importar com aquilo que acontecerá às representações holográficas e às versões reais dos colonistas. No fundo, a narrativa e a forma como é contada é interessante, as personagens não o são. Infelizmente, para que o jogo conseguisse oferecer o tipo de experiência que pretendia, era preciso que ambos os elementos funcionassem em conjunto e com igual qualidade.

Alone with you 5.png

Graficamente, Alone With You utiliza o mesmo estilo visual pixelizado de Home, optando por se diferenciar do título anterior do produtor através da diversidade de cores que utiliza e que conferem um aspeto algo deslavado à experiência, contando com uma predominância de diferentes tons de rosa e azul. A banda sonora volta também a ser um destaque do jogo, contribuindo de forma significativa para atmosfera de solidão que envolve toda a experiência, bem como o mistério relativamente ao que terá acontecido aos colonistas após o cataclismo.

Em suma, a nova obra de Benjamin Rivers é uma experiência interessante, mas que nunca se consegue materializar em algo de qualidade inegável ou capaz de, pelo menos, ter algum tipo de impacto junto do jogador. Para uma experiência que coloca tanto ênfase na sua narrativa, é uma pena que seja precisamente aí que deixa mais a desejar. Como já referi, a história é interessante, a forma como a jogabilidade é utilizada para a contar também, mas as personagens nas quais o título coloca muita importância simplesmente não cativam o suficiente para que o título se torne memorável.

veredito

Alone With You apresenta um conceito interessante, mas a execução deixa a desejar e impede-a de se tornar numa experiência memorável.
6 Conceito interessante. Grafismo bonito. Pouco impacto. Segue uma fórmula repetitiva.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Alone With You

para PC, PlayStation 4, PS Vita

A sci-fi romance adventure.

Lançado originalmente:

23 August 2016