Filipe Urriça por - May 5, 2022

Chocobo GP – Análise

Na indústria dos videojogos, nos anos oitenta e noventa, algumas das maiores empresas definiram-se pelas mascotes que ostentavam. A Nintendo é conhecida pelo seu canalizador de chapéu vermelho, Mario; a SEGA tornou-se famosa por criar um ouriço azul que corre a grande velocidade, Sonic; já a Namco ficou célebre nos salões de jogos com a sua personagem que comia pontos brancos e era perseguida por fantasmas coloridos, Pac-Man. A Square Enix não detém uma personagem marcante que possa ser uma mascote, mas tem a maior série de JRPG do mercado: Final Fantasy. Ao longo dos vários títulos, há várias personagens que se destacam, portanto, há muito por onde se pegar quando se quer fazer um spin-off de corridas de kart. Assim, a produtora japonesa pegou novamente nos Chocobo para fazer um jogo completamente diferente dos Role Playing Games aos quais estamos habituados.

A primeira aventura dos Chocobo em circuitos de corridas foi há mais de duas décadas, mais precisamente em 1999, para a primeira consola doméstica da Sony. A Square Enix nunca olhou para as consolas da Nintendo com a mesma seriedade que olha para as da Sony, para publicar os seus títulos Final Fantasy. Normalmente, apareciam muitas obras spin-off e é aí que Chocobo GP encaixa na perfeição para ser lançado na Nintendo Switch, apesar de haver um forte concorrente com o qual vai dividir a atenção dos jogadores: Mario Kart 8 Deluxe.

Joguei várias horas do novo jogo de corridas da Square Enix e estou bastante confortável para afirmar que é um bom jogo naquilo que se propõe a fazer. Porém, Chocobo GP podia ser bem mais se não fosse pelo design implementado para que os jogadores gastem algum dinheiro nas inúmeras microtransações existentes. O jogo de corridas da série Final Fantasy é um jogo free-to-play, mas tal não significa que o jogo tem de estar sempre a insistir para que os seus jogadores comprem tudo e mais alguma coisa neste ecossistema comercial do jogo. Chocobo GP beneficiaria muito em ser mais parecido com o jogo de consola Mario Kart 8 Deluxe e muito menos com o jogo para smartphones Mario Kart Tour.

Chocobo GP também falha num aspeto importantíssimo: ter um multijogador simples de pegar e começar, mesmo para quem não tem grande literacia em videojogos. Uma grande parte dos jogadores que estão interessados em experimentar este jogo de corridas, inserido na série JRPG mais conhecida do mundo, fará certamente parte do público que joga ou já jogou Mario Kart 8 Deluxe, por isso é pena que não tenha configurações e opções multijogador similares. Por exemplo, Chocobo GP nunca terá a diversão caótica de uma partida num ecrã dividido em quatro, o jogo só permite a divisão no ecrã em dois. A forma como se pode jogar também é importante enquanto se pode afirmar que Mario Kart 8 Deluxe é libertador, Chocobo GP, por sua vez, é limitador. Por exemplo, só podemos jogar com dois Joy-Con ou com um par de Nintendo Switch Pro Controller, não existe a possibilidade de misturar diferentes tipos de comandos, infelizmente.

Chocobo GP deixou-me estupefacto com a escolha de pilotos inicial, porque quando se começa só há três personagens disponíveis, os restantes são todos desbloqueados no modo de história. Há muito por onde escolher, após algumas corridas, mas não deixa de ser incrivelmente estranho da parte dos produtores terem tomado esta má decisão. Por isso, lá tive de começar pela narrativa para desbloquear e receber tudo a que tinha direito e assim ter algumas opções de escolha para ver se havia um piloto mais adequado à forma como jogo. Um veículo ou piloto que tenha associado muita aceleração está sempre nas minhas preferências, para assim poder recuperar a velocidade perdida quando embatia contra outros pilotos ou um item me atingia para me atrasar.

Um detalhe do grafismo que está muito bem conseguido é a sensação de velocidade que transmite, nomeadamente após uma sucessão de derrapagens bem feitas. Se estamos a conduzir mais rápido não vamos ter dúvidas que estamos a fazê-lo. O que não faltam são um excesso de linhas de vento que denunciam o aerodinamismo do nosso veículo ou piloto – os Chocobo competem com uns patins em linha motorizados. Esta sensação de velocidade é importante para que o jogo tenha uma jogabilidade interessante e divertida, assim como se deve conjugar bem com os itens que temos para usar que conferem ainda mais velocidade.

Assim, no fundo, Chocobo GP é um bom jogo que é uma boa alternativa a Mario Kart 8 Deluxe, embora não chegue aos calcanhares do jogo produzido na casa de Quioto. Mario Kart 8 Deluxe joga-se muito melhor, carregar no botão A para acelerar não é tão natural como um gatilho e é muito mais intuitivo fazer derrapagens sem ser necessário travar no botão B. Chocobo GP não é a experiência polida e inigualável como a jogo de corridas da Nintendo, mas deve-se dizer que a Square Enix fez um trabalho sólido para entregar aos jogadores algumas horas de diversão.

veredito

O jogo da Square Enix é bom para quem quer mais corridas de kart, sobretudo se as novas pistas do jogo da Nintendo não vos satisfazem.
7 Sensação de velocidade. Pistas divertidas. Jogabilidade sólida. Excesso de microtransações.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Chocobo GP

para Nintendo Switch
Chocobo GP

Corridas de Kart com personagens e seres da série Final Fantasy.

Lançado originalmente:

2022