Considerado o desporto rei numa enormidade de países, o futebol deve muita da sua popularidade à acessibilidade das suas regras e a uma barreira de entrada bastante diminuta para aqueles que o pretendem desfrutar. Pode muitas vezes não ser o mais espetacular dos desportos para se assistir na televisão, mas é inegável que se torna uma das atividades desportivas mais prazerosas quando somos nós a entrar dentro das quatro linhas para uma partida entre amigos.

Kick off revival.png

Antes da era dominada pelas gigantes séries da Electronic Arts e da Konami, FIFA e Pro Evolution Soccer, respetivamente, jogos como Kick Off ou Sensible Soccer eram os principais responsáveis por adaptar o desporto que movimenta milhões todos os anos ao formato jogável. Com uma abordagem bem mais simplista e limitada do que aquela oferecida atualmente, estes títulos brilhavam acima de tudo pela sua acessibilidade e por privilegiar o espetáculo, ou seja, os golos ao invés de tentarem recriar a componente mais tática do futebol.

Com isso em mente, Dino Dini's Kick Off Revival, a primeira entrada da série em cerca de quinze anos, procurava capitalizar a nostalgia e transportar-nos para uma época mais rudimentar, mas igualmente divertida dos simuladores, oferecendo uma obra que, embora fácil de jogar, fosse difícil de dominar. Infelizmente, este título não só falha aquilo a que se propunha oferecer, como acaba por se fixar como um dos piores títulos que tive oportunidade de jogar nos últimos anos.

Kick off revival 2.png

E não, não estamos perante um jogo que é fácil de jogar, mas difícil de dominar. Muito pelo contrário. Uma descrição mais acertada do título seria "difícil de jogar, praticamente impossível de dominar". Quase nada funciona como deveria e aquilo que era suposto ser uma abordagem mais simples e acessível do desporto, rapidamente se transforma numa das experiências mais frustrantes, aborrecidas e erráticas que alguma vez terão oportunidade de jogar.

Num esforço, claramente falhado, de oferecer uma jogabilidade mais simples do que aquela encontrada nas principais séries da atualidade, Kick Off Revival conta com um esquema de controlo assente por completo no analógico esquerdo e num único botão de rosto. Significa isto que, com apenas estes dois comandos, os jogadores realizarão todas as ações possíveis e imagináveis do jogo, ou seja, a direção, a potência, os passes, os remates, os cruzamentos, os desarmes, os efeitos e tudo o mais que se conseguirem lembrar.

Kick off revival 3.png

Como facilmente se percebe, este esquema de controlo está muito longe de poder ser considerado intuitivo, pelo que o facto de o jogo nem sequer se dar ao trabalho de explicar ao jogador como deve realizar as diferentes ações faz com que durante as primeiras horas - isto claro, se conseguirem resistir durante esse período - sejam praticamente impossíveis de jogar. Até mesmo os gráficos partilhados pelo seu criador são ridiculamente obtusos e pouco prestáveis, sendo por si só um enorme alerta vermelho para os interessados em jogá-lo. O mais frustrante é que tudo isto poderia ter sido evitado se diferentes ações fossem executadas por botões distintos, mas aparentemente isso seria tornar o jogo demasiado complexo.

Mais problemático do que o facto dos controlos serem arcaicos e, à falta de melhor adjetivo, atrozes, é o facto destes nos oferecerem um controlo muito limitado sobre a ação. Tentar construir uma jogada tem sempre o mesmo desfecho, ou seja, o desarme imediato por parte do adversário, pelo que o mais fácil será chutar a bola para a frente e esperar que consigam ganhar o ressalto. Na verdade, até os lances de bola parada são incrivelmente difíceis de executar, quanto mais de conseguirem criar situações de perigo.

Kick off revival 4.png

Mas não se pense que os problemas ficam por aqui, pois claramente não é esse o caso. Cartões amarelos e vermelhos e foras de jogo são simplesmente inexistentes, não temos qualquer hipótese de alternar o jogador da equipa que controlamos, as formações táticas não têm qualquer impacto no jogo, uma vez que a inteligência artificial dos jogadores tem muito pouco de inteligente e a bola é praticamente impossível de ser controlada, fugindo do controlo do jogador sempre que este muda de direção.

Adicionalmente, uma vez que não tem qualquer controlo sobre os guarda-redes, nem sequer nos penalties, estes chutam constantemente a bola para o meio campo sem qualquer critério e ficam muitas vezes presos nas suas animações, o que significa que se uma bola for intercetada no seu caminho até ao guarda-redes, este fica sem reação e deixa a baliza aberta. Para além disso, os guarda-redes deixam muitas vezes passar bolas que vão na sua direção e nas poucas ocasiões em que as defendem entram com a bola uns bons metros dentro da baliza sem qualquer penalização.

Kick off revival 5.png

Também nos modos de jogo, Dino Dini's Kick Off Revival está longe de oferecer conteúdo suficiente para manter os jogadores na experiência. Com apenas quatro modos de jogo, entre os quais um muito básico modo de treino, os jogadores podem optar por realizar partidas contra a inteligência artificial, que apenas tem um modo de dificuldade e parece ter total domínio do esquema de controlo, participar na taça europeia com as 24 seleções europeias que participam atualmente no Europeu de França ou então disputar partidas contra outros jogadores online. Francamente, a melhor opção é mesmo jogar online, uma vez que a maioria dos jogadores não consegue dominar os controlos, dando origem a partidas mais disputadas, mas incrivelmente mal jogadas.

Tecnicamente, o título opta por um estilo visual retro que tenta apelar à nostalgia do jogador, mas que não consegue ser minimamente apelativo ou diversificado para o cativar. Já a banda sonora, que é o mesmo que dizer a única sonoridade que passa em loop no menu do jogo, é básica e repetitiva, não existindo qualquer acompanhamento sonoro durante as partidas, com exceções de raros sons do público e do apito do árbitro. Ainda assim, é de salientar que o jogo não crashou uma única vez durante o meu tempo com o mesmo, pelo que isso é um ponto positivo.

Kick off revival 6.png

Dino Dini's Kick Off Revival é um jogo tão mau que parece ter ficado preso no passado e ter sido produzido sem qualquer tentativa de aproveitar o que anos de evolução de esta indústria poderia trazer à experiência supostamente mais simples da obra. Frustrante, aborrecido e recheado de problemas técnicos, este título terá enormes dificuldades em conseguir segurar os jogadores durante o tempo necessário para estes compreenderem sequer o seu esquema de controlo. Kick Off Revival parece um jogo produzido à pressa e que chegou ao mercado ainda num estado muito precoce do seu desenvolvimento, infelizmente, este parece mesmo ser o produto final que a produtora pretendia entregar.