Acredito, sinceramente, que existem muitas pessoas que se sintam demasiado constrangidas a jogar algo com a liberdade de Minecraft, ou até mesmo de Terraria. Se não tiverem imaginação ou alguma criatividade, vão se sentir perdidos com estes jogos. Dragon Quest Builders vem, à sua maneira, colmatar esta falha deixada por estes títulos com uma campanha que contém objetivos bem definidos. Construir já não é um mistério guardado em inúmeras páginas de guias de sites dedicados ao jogo, nem em vídeos publicados no YouTube. Está tudo ao vosso alcance e esta é a principal força do jogo. 

Não se preocupem, Dragon Quest Builders tem muitas surpresas guardadas na manga. São-vos entregues várias plantas de construções, como se os jogadores fossem autênticos engenheiros ou arquitetos. Os habitantes da vossa aldeia dão-vos missões, para que nunca fiquem confusos com o que irão fazer a seguir. Porém, podem fazer tudo como quiserem, pela ordem que quiserem. Dragon Quest Builders dá-vos liberdade para tomarem as vossas decisões, mas caso queiram progredir o jogo ao vosso ritmo, estão livres de o fazer.

Imagens Analise Dragon Quest Builders Switch

 O cerne do título da Square Enix reside na construção e na edificação de uma aldeia que se julgava em ruínas. Vocês são o lendário Builder, uma das poucas pessoas que ainda têm o conhecimento para construir ou criar novos itens, através da combinação de dois ou mais materiais. A construção e, por conseguinte, todos os sistemas de crafting, são uma parte fulcral desta experiência. Felizmente, para terem uma boa sessão com Dragon Quest Builders não precisam de aceder a nenhum site externo ao jogo para saberem o que construir. Quando descobrirem um item pela primeira vez, faz-se, literalmente, luz na cabeça da vossa personagem.

A construção da aldeia depende inteiramente de vocês. Serão obrigados a criar algumas habilitações específicas. Pensem assim: a vossa aldeia é uma enorme casa e vocês estão responsáveis por construir todas as divisões que vos forem pedidas. Para um quarto básico têm que construir paredes com uma área mínima, uma fonte de luz e uma porta. Adicionem uma cama e têm uma quarto para dormir. É tão simples quanto isso. E à medida que novas divisões são construídas, mais experiência ganha a aldeia. E ao passar de nível novas construções ficam desbloqueadas.

Imagens Analise Dragon Quest Builders Switch

Contudo, não foi só a transformação de material que foi adaptada de Minecraft: à noite os monstros atacam a pequena fortaleza que estão a erguer com as vossas próprias mãos. Não se preocupem, nenhum Creeper se vai aproximar de vocês e explodir com o vosso trabalho, até porque na terceira pessoa é muito difícil serem apanhados desprevenidos. Os monstros em si são os mesmos que a série já entregou ao longo dos anos. A mascote da série, o slime azul, faz a sua aparição, assim como algumas variantes deste modelo, como o monstro mais fraco do jogo. 

O jogo, infelizmente, não tem o combate mais agradável. É um processo que passa por atacar e defender. Ou seja, para matar um monstro que precise de sofrer bastante dano, é necessário “dançar” à volta dele. Ataco e apercebo-me que começou a animação do monstro para atacar por isso, quando vejo que está prestes a bloquear a sua posição para dar o golpe, afasto-me. Andar aos círculos à volta dos inimigos é a solução mais adequada a este combate arcaico. Se ficarem rodeados por vários inimigos, o melhor é arranjar uma forma de conseguirem atacar um de cada vez. 

Imagens Analise Dragon Quest Builders Switch

O combate, tal como no resto do jogo, é importante para recolher materiais. Os slime deixam, por exemplo, um líquido azul para podermos usar na criação de tochas e estas podem ser transformadas em fontes de luz ainda mais elegantes. É uma grande parte do jogo, para criar e transformar é preciso sempre a matéria-prima. Há tudo o que é esperado encontrar: madeira, terra, pedra, carvão, cobre, ferro e muitos outros materiais preciosos e mais raros. 

O que foi bem desenhado em Dragon Quest Builders é um baú mágico que recolhe os itens por nós quando o nosso inventário já está cheio. Há algum material que necessitam de usar neste preciso momento? Então podem aceder a este cofre remoto através do próprio menu. Foi uma excelente opção de design, pois assim não necessitamos de saltar de um lado para o outro só para organizar os nossos recursos. 

Imagens Analise Dragon Quest Builders Switch

Apesar de ter bons sistemas que nos entregam um ciclo vicioso de atividades, este título tem um senão: a câmara de jogo. Dragon Quest Builders é um jogo na terceira pessoa, que nos permite colocar a câmara em três graus de aproximação. Pessoalmente, quanto mais afastada estava a câmara, melhor. No exterior joga-se muito bem, mas em espaços interiores e fechados a câmara coloca-se quase em cima do ombro da personagem, não permitindo ver bem o que a rodeia. É preciso ajustar a câmara com o analógico direito para uma posição mais nos permita ver o que precisamos, sobretudo quando existem inimigos. 

Tecnicamente, não existem grandes diferenças entre as outras versões do jogo. Até o modo portátil não tem grandes quebras na resolução e nos fotogramas por segundo no qual é exibido o jogo. São aproximadamente três horas de bateria que Dragon Quest Builders nos deixa jogar. Não é o ideal para sessões prolongadas a fazer demandas, mas revelou-se o suficiente para terminar algumas missões, de forma faseada. Se a vontade for assim tanta de continuar este ciclo, temos de ligar a consola à televisão ou ligar o carregador se houver uma tomada por perto. 

Imagens Analise Dragon Quest Builders Switch

Minecraft pode ser uma experiência em que nos sentimos perdidos, nos seus mundos criados aleatoriamente pelos algoritmos do código do jogo. Dragon Quest Builders imprime uma direção e um objetivo a este fórmula, um RPG que até melhora alguns elementos onde a maioria dos jogos de sobrevivência do género falha. Há uma vontade contínua em recolher materiais, em construir e em criar novas divisões para a nossa aldeia, tudo elaborado na estética muito própria de Akira Toriyama que assenta tão bem.