Hearthstone é o jogo de cartas mais relevante do mercado de videojogos, por isso é natural ver obras que se inspiram no jogo da Blizzard para oferecer algumas alternativas interessantes a quem procura uma experiência similar. Por isso, como Faeria chegou à Switch fiquei curioso em saber que abordagem é que o jogo da Abrakam Entertainment tomou para entregar uma experiência estratégica com cartas. Destacar-se num meio onde já existem grandes nomes da indústria a apostar em jogos deste género será, sem dúvida, uma tarefa árdua para Faeria.

Faeria tem conteúdo mitológico, em bastante abundância, espalhado em todas as suas cartas. Embora este conteúdo narrativo não possa ser acedido e lido de uma ponta à outra, afinal não existe um compêndio com tudo aglomerado, é algo de interessante para descobrir. Os jogadores vão aceder a esta parte da obra a conta-gotas: sempre que encontrarem ou jogarem uma nova carta têm acesso a mais informação, tornando o mundo de Faeria cada vez mais rico. No entanto, quando vencerem um inimigo numa partida a solo, ou completarem determinadas quests, vão obter mais detalhes da história do mundo no qual decorrem estes combates estratégicos.

Infelizmente, este tipo de narrativa não consegue motivar quem joga a estar atento ao que é exposto. Esta forma de contar histórias funciona melhor em Propriedades Intelectuais já estabelecidas, tal como Hearthstone ou Legends of Runeterra, para assim só termos de nos concentrar naquilo que o jogo entrega de mais importante: a jogabilidade. Este conceito de descobrir um mundo de fantasia é interessante, mas o que importa é estarmos divertidos enquanto estamos a desenvolver a nossa estratégia para vencer.

Faeria é um jogo de cartas, embora estas deixem de ter o aspeto de cartas quando são jogadas. Em vez de estarmos a espalhar cartas num espaço destinado para tal, como um tabuleiro próprio, estamos a colocá-las em espaços hexagonais, numa grelha feita para esse mesmo efeito. Apesar da grelha não existir no espaço dividido entre o jogador e o seu oponente, temos de ser nós e o nosso adversário a construí-la. Este aspeto é parte da diversão; é parte da estratégia a desenvolver para chegar ao inimigo e infligir dano. Criar um caminho até ao adversário é uma característica única do jogo e é precisamente por aí que se diferencia da concorrência.

Na grelha também há espaços específicos onde podem amealhar a unidade monetária para gastar na colocação de cartas. Isto confere mais uma camada de estratégia e acaba por ser um ótimo local para deixar as cartas mais fracas, assim não servem só de carne para canhão. Desta forma, têm de fazer uma boa gestão das cartas que têm na vossa mão, tal como precisam de pensar muito bem onde têm de colocar os pedaços de terra hexagonal.

Cada turno permite-vos jogar cartas e efetuar uma das ações disponíveis de uma roda com opções, que se situa no canto inferior direito. Quando é a vossa vez de agir, há uma boa variedade de ações que podem tomar. Nos primeiros turnos, vão certamente querer criar terra no oceano que vos separa do vosso inimigo, nomeadamente dois espaços de terra normal, ou apenas um dos terrenos especiais (que afetará o tipo de criaturas que podem ou não jogar). Nos momentos finais do jogo, Faeria permite-vos obter uma carta ou obter um ponto da unidade monetária para gastarem nas cartas mais poderosas.

Fiquei muito satisfeito por constatar que Faeria tem bastante conteúdo para se jogar sozinho, que é um jogo bastante preenchido e que não é oco por dentro. Contudo, o jogo está longe de ser perfeito. Na Nintendo Switch, consola onde o jogo foi testado, Faeria requer, obrigatoriamente, uma ligação à Internet para se poder jogar, mesmo que as partidas sejam no modo a solo. E ainda é preciso jogar uma quantidade infindável de partidas até se conseguir desbloquear as cartas todas. Por isso, a longevidade é algo que está garantido, até para além de quando já tivermos tudo ao nosso alcance para construir um baralho à nossa medida.

Não é propriamente um problema, mas começar Faeria é bastante lento até se abrir aos jogadores em toda a sua plenitude. Depois de completar um generoso tutorial, temos ainda de atingir um determinado nível até podermos desbloquear mais modos de jogo. Percebo o porquê de termos de esperar até desbloquear mais um dos vários modos bloqueados, visto que é preciso ter a certeza que nós e os nossos oponentes sabem como funciona o jogo.

No entanto, bloquear um modo onde temos de resolver puzzles não faz muito sentido, até porque seria uma boa forma de ensinar os jogadores a perceber as várias mecânicas que Faeria contém. Obviamente que existe a opção de jogar online com jogadores de carne e osso, afinal mesmo no modo a solo somos forçados a ter a consola ligada à Internet.

De um jogo deste género já se esperava que a produtora vendesse expansões com mais cartas, abrindo assim as portas a novas oportunidades estratégicas. Felizmente, o conteúdo oferecido não é agressivamente entregue, ou seja, não estão constantemente a tentar-vos vender algo que não querem ou não precisam. Só pela experiência original, o investimento de vinte euros vale bem a pena pelo conteúdo entregue.

Como se esperava, visto ser um jogo de cartas, a direção artísitca das criaturas desenhadas nas cartas é fantástica, são peças que mereciam estar num jogo em formato físico do mesmo género, como Magic: The Gathering. Contudo, é desapontante que algumas cartas tenham um tratamento incompleto, que não inclui pequenas linhas com o áudio da vocalização da personagem ou da criatura que algumas cartas têm.

Faeria é um muito bom jogo de cartas com os habituais ganchos de jogabilidade para vos incentivar a ficar na experiência que este oferece. Há inúmeras missões para completar, uma imensa quantidades de cartas para descobrir e estratégias para desenvolver. Por isso, têm longevidade suficiente para umas boas dezenas de horas, possivelmente perto das centenas.

Porém, se jogam com a vossa Switch fora de casa, ou em locais em que não têm acesso a uma ligação à Internet, será impossível aproveitar o que jogo tem para oferecer, o que é uma pena visto ter material e regras para partidas com cartas bastante interessante.