A Tribute Games criou o que eu considero um dos melhores jogos num género que se tem vindo a destacar: os roguelike. É a conjugação de todos os elementos familiares do género em que se insere que faz com que Flinthook seja, no mínimo, muito bom. É difícil e, por vezes frustrante - uma característica indissociável dos roguelike -, porém, a nossa vontade em repetir novas partidas nunca se demove.  

O nosso protagonista é um pirata do espaço, é este que sente necessidade de caçar os bosses do jogo. Esta personagem é um pirata do espaço que vai de de barco em barco à procura do precioso loot que lá está, para assim poder ficar mais perto do seu objetivo: derrotar o boss que tem a sua cabeça a prémio. 

Analise Flinthook

Após a invasão, ou seja, depois de chegarem à primeira sala do jogo, avançam para a próxima até descobrirem onde está a sala com o precioso baú do tesouro. Já devem conhecer este tipo de progressão de jogos, como por exemplo The Binding of Isaac. A descoberta da saída é como navegar num labirinto, nunca sabemos o que vamos encontrar no virar da esquina. Na realidade deste género de jogo, nunca vamos saber o que está na porta que se segue.

É a estrutura de Flinthook que roça a perfeição, já mesmo antes do jogo começar. Em vez de apanharem melhoramentos nas salas próprias para o efeito durante a partida, podem escolhê-los antes da própria partida começar, até mesmo antes de os apanharem. Assim evitam recolhê-los quando já estão fragilizados das batalhas prévias à descoberta da sala com recompensas. Escolhem um conjunto de cartas, com um limite de espaço que têm disponível e têm assim uma partida moldada à vossa medida, ao vosso estilo de jogo.

Analise Flinthook

Esta preparação que antecede o jogo propriamente dito, permite-vos escolher cartas que vos dão um acréscimo nos pontos de experiência recebidos, mais saúde, as vossas habilidades melhoradas entre uma vasta escolha de opções que tornam a vossa forma de jogar mais agradável. Portanto, brincar com o gancho e o cinto de abrandar o tempo é algo que podemos e devemos fazer, mesmo que não consigamos entender a melhor forma de os usar. Se quiserem evoluir de forma a obter mais carteirinhas então enchem o vosso loadout inicial com cartas que aumentem a vossa experiência.

A evolução, ou o aumento de nível, é absolutamente necessário para ganharem mais cartas, para obterem ainda mais opções para começar o jogo como vocês querem. Assim, quando estiverem prontos para enfrentar um boss, podem ir com uma excelente preparação. Antes de lá chegarem, os jogadores não só sabem jogar muito melhor, como vão muito melhor preparados em termos das habilidades da personagem. Há uma certa importância em encarar o jogo em partidas que sabem que vão dar em mais experiência, numa evolução progressiva que vai desbloquear mais detalhes do jogo.

Analise Flinthook

O que torna Flinthook num roguelike memorável são os seus pormenores na jogabilidade. Este título canadiano entrega à nossa personagem um gancho que consegue disparar de uma pistola. Imaginem o grappling hook de Batman, é isto que têm na vossa posse e vocês têm esta ferramenta em vosso poder para chegar a todo lado, para se desviarem de inimigos ou até para abrir uma passagem para uma outra sala.

Como o próprio nome do jogo sugere, Flinthook foi desenhado em torno desta ferramenta de locomoção, que aliada ao cinto abranda consideravelmente o tempo para se desviarem dos cenários caóticos repletos de inimigos. Além dos inimigos, os níveis foram cuidadosamente desenhados para nos darem desafios, tanto em termos de combate, como em termos de deslocação. Há níveis difíceis cheios de oponentes, assim como outros em que não há um único adversário com a dificuldade ao mesmo nível. Isto deve-se à presença de armadilhas de argolas para o nosso gancho colocadas em sítios estratégicos para avaliar a nossa capacidade de movimentação.

Analise Flinthook

Há uma particularidade que poderá irritar quem joga Flinthook, pelo simples facto da nossa mira estar associada ao mesmo analógico do movimento. Mas quando reparei que a minha personagem parava quando disparava, mesmo sem estar com o botão continuamente pressionado, senti que isto fazia todo o sentido. Acionem o abrandamento do tempo e têm uma janela mais que suficiente para eliminar inimigos que vos atormentam e chegar calmamente onde quiserem.

Flinthook é simplesmente impressionante em termos artísticos. O pixel art está claramente aliado à necessidade do jogo ser rápido e sem soluços técnicos. O estilo encaixa na perfeição na temática de ficção científica futurista. Há todo um conjunto de animações das personagens principais que torna o jogo com uma personalidade ligeiramente cómica. A Banda Sonora é assinada por Patrice Bourgeault, o mesmo autor da composição musical de Mercenary Kings. Esta música dá uma certa energia às batalhas e uma sensação de heroísmo por parte da personagem que nós controlamos.

Analise Flinthook

A Tribute Games entrega, assim, o que pode ser considerado uma apoteose do roguelike com Flinthook. O jogo é bastante divertido e quando já estamos satisfeitos com a nossa prestação, podemos escolher enfrentar o inimigo principal como deve ser. Assim têm uma nova excelente opção para a Nintendo Switch. E como este tipo de jogo é perfeito para pequenas partidas, Flinthook encaixa mesmo bem naquilo que a consola da Nintendo oferece.