Furi é como uma música com várias falências e um ritmo incrível. Mesmo que não seja o nosso estilo preferido, fica o compasso da batida, aquele ritmo que não nos sai da cabeça enquanto contemplamos tudo aquilo que fica aquém na obra. O jogo da The Game Bakers falha em vários pontos que serão mencionados nesta análise, mas ainda trago comigo algumas das batalhas, ainda contemplo na parede todos os sítios onde o DualShock 4 poderia ter batido.

Furi.png

Oferecido recentemente a todos os membros PlayStation Plus, tenho andado a experimentar o jogo desde a semana passada, o que permite tempo para ver tudo aquilo que oferece em vários modos de dificuldade. A produtora gaulesa dotou a sua obra com um grau de dificuldade extremamente acessível que serve para testar as águas, para pensar que afinal isso da frustração é um mito urbano e que o travo agreste estava apenas guardado para o boss final.

Contudo, neste modo de dificuldade nem sequer há desbloqueio de troféus, o que prova que é na sua essência uma versão do jogo destinada ao treino. Querem conhecer Furi a sério? Joguem pelo menos no modo de dificuldade normal, algo que desvendará um desafio assinalável, uma frustração que vos fará ver vermelho, e um sentido de recompensa que vos dará a confiança necessária para olhar com desdém para John McClane e as suas míseras conquistas.

Mas afinal o que é Furi? É um jogo de ação frenética na terceira pessoa em que enfrentarão bosses consecutivos. Não, não há propriamente níveis para explorar. O que têm pela frente é apenas aquilo que encontram normalmente no final de cada etapa, ficando a sensação que a produtora não quis perder tempo, ou melhor, que inteligentemente centrou todos os seus esforços em fazer pouco, mas bem.

Furi 2.png

O núcleo do jogo é indubitavelmente os confrontos mencionados no parágrafo anterior, contudo é imperativo mencionar uma opção desastrosa. Já se sabe que entre cada boss não há um nível a percorrer, contudo, há um breve trecho em que a narrativa se vai desenvolvendo, servindo para limpar o palato. O jogador não faz nada além de ter que lutar com uma câmara com vida própria, o que é muito, muito frustrante e certamente levará muitos a optarem por colocarem o personagem em piloto automático, pousando o DualShock 4 e deixando o jogo a desenrolar-se automaticamente.

Seja jogando ao braço de ferro com a câmara, seja ativando o modo automático, são secções enfadonhas e que quebram o ritmo de jogo. Compreendo a tentativa de dar balões de oxigénio aos jogadores depois de lutas alucinantes, mas porque não optar por cenas de vídeo com metade do tamanho? O jogador descansava, a narrativa avançada, o cenário mudava, e não era necessário assistir ao avançar da tartaruga depois de um combate com uma lebre.

O protagonista de serviço é um prisioneiro, tal como é mostrado nos minutos iniciais. Sem grande surpresa, Furi coloca-nos como condutores de uma luta pela liberdade que tem paragem obrigatória no confronto com vários Jailers, ou seja, com vários bosses. O jogo alimenta-se destas lutas e nota-se facilmente o trabalho e o planeamento da produtora, dando a cada um deles uma arena diferente e um conjunto de movimentos diferentes, o que está constantemente a refrescar a jogabilidade.

Furi 3.png

Cada boss tem também uma barra de energia variável e composta por várias vidas, tal como o protagonista. Se morrerem passam para a vida seguinte, se esgotarem as vidas todas começam o boss de novo. Mais: se morrerem e faltarem 3 milímetros à barra de energia atual do boss, continuam a lutar na vossa vida seguinte, contudo, o boss recupera totalmente a sua barra de energia atual.

Não é propriamente uma novidade e, convém mencionar, ainda que possa parecer frustrante e injusto ocasionalmente, é uma forma de dinamizar as lutas até ao último segundo, salientando o melhor dos jogadores na hora de dar tudo o que têm. Claro que no momento em que morrem e e veem que o boss estava muito perto de ter o mesmo destino a postura não será tão calma como a que provavelmente têm no momento em que leem estas linhas.

Furi excede em dois pontos, sendo um deles a jogabilidade como um todo. A produtora sabia que ao cingir uma obra completa às lutas contra bosses tinha que apresentar combates memoráveis e é isso que consegue quase sempre. Quase que pedindo um pouco de inspiração aos shooters, podem atacar e contra-atacar corpo-a-corpo e podem disparar com a vossa arma, mesclando vários tipos de luta consoante acharem mais oportuno.

Furi 4.png

Como já foi dito, cada boss tem o seu conjunto de ataques, o que torna tudo um pouco mais interessante, uma vez que a tática que usam no segundo ou no terceiro pode não ser eficaz no seguinte. Além disso, os cenários são usados como parte integrante das lutas, o que ajuda a esta elasticidade. Num determinado boss, por exemplo, há uma grelha de energia que é lançada, além do caos de incontáveis esferas luminosas e de ondas de luz lançadas pelo inimigo, o que é uma alegria se não olharem para a vossa barra em queda livre.

Este exemplo serve também para mencionar que muito da jogabilidade de Furi está na temporização do ataque e da defesa, o que alude para a primeira frase desta crítica: Furi é um frenético e complicado bailado, como se subissem temporariamente ao palco do Teatro Bolshoi. Infelizmente, nem tudo é um mar de rosas e a produtora não soube quando parar. Claro que é possível chegar ao fim de Furi - ao fim mesmo, não aos créditos finais - e claro que é uma tarefa ao alcance de qualquer um, todavia, a frustração advinda de alguns combates será um verdadeiro teste à vossa perseverança.

Cada luta pode chegar com relativa facilidade aos vinte ou trinta minutos e podem também com relativa facilidade morrer na praia, o que vos obriga a recomeçar aquele particular boss de novo. É um desafio, sim, mas depois de quatro ou cinco vezes acaba por toldar a perspetiva geral do jogo, relegando para segundo plano a diversão e transformando o ato de superação numa tarefa. É verdade que quase sempre o título deixa uma réstia de esperança, quase batendo-vos no ombro e dizendo que são capazes. É uma oscilação de sentimentos que vai do "vocês viram o que eu acabei de fazer?" ao "não estou para isto" com uma volatilidade assinalável.

Furi 5.png

Quando tudo funciona no seu melhor, Furi consegue criar uma imersão que vos transporta para aquele mundo durante um período em que nada mais interessa. Uma boa parte deve-se à jogabilidade refinada e astuta, mas impera não esquecer que tecnicamente estamos perante uma proposta bastante interessante, apostando num estilo distinto e numa banda sonora deslumbrante.

O estilo gráfico nunca chega a colocar no ecrã vistas com grandes pormenores, contudo, a plástica da obra é coesa e muito inspirada. Procurem qualquer um dos bosses e é muito provável que encontrem algo que gostem. O mesmo é verdade para o protagonista, tanto na sua forma normal como com o brilho especial quando inflige mais dano. Claro que o cabelo branco comprido ajuda, tal como empunhar uma espada. Uma menção especial para o "coelho" que vos acompanha e que, pessoalmente, me fez imediatamente lembrar uma versão rosa de Donnie Darko.

E se o grafismo é de salutar, a banda sonora é tão boa que pode perfeitamente ser escutada fora do contexto do videojogo - tal como será quando vinyl chegar ao mercado. Não é uma questão de gosto pessoal - até porque estão muito longe das minhas preferências, é uma questão de complementarem a ação, de sem nunca quererem assumir o centro do palco estão lá a dar ritmo, ou melhor, estão lá a complementar a estética e a jogabilidade no mesmo patamar, pois acreditem que muito do que é memorável de Furi passa por nomes como Carpenter Brut, Danger, The Toxic Avenger, Lorn, Kn1ght, entre outros. E podem colocar a vocalização em japonês.

Furi 6.png

Furi não é um mau jogo, oferecendo algumas horas de diversão e competitividade fervorosas. O seu estilo gráfico é aprumado e a banda sonora é excelente, saltando para um dos pontos positivos mais brilhantes. E a jogabilidade é refinada, desafiante, imaculada às vezes. O problema é que a produtora ocasionalmente tornou a sua criação frustrante sem ter necessidade para tal. Se a curva de dificuldade fosse mais ligeira teríamos um desafio interessantíssimo em crescendo até um boss final que poderia ser um culminar memorável. Assim, ora estão a jogar algo excelente, ora estão com vontade de decorar a parede com um comando.