A imagem que abriu esta análise não foi escolhida de modo aleatório. Na realidade, o simples logótipo que puderam ver acima serve apenas para representar o conceito que acaba por gerir toda a "aventura" proporcionada por Game Dev Tycoon, se assim lhe podemos chamar. É apenas uma das consequências de assumir o papel de um verdadeiro produtor independente, criando uma pequena empresa do zero e começando aos poucos a ver o seu nome proliferado por cada vez mais sítios. Neste caso, como não poderia deixar de ser, optei por chamar à minha pequena empresa, VideoGamer Portugal.

Tudo começa de uma forma simples. Um pequeno espaço arranjado entre arrumações e tralha na garagem. Mas desenganem-se os mais céticos em relação ao potencial encarcerado nesta mal amada divisão - muitos dos projetos mais bem sucedidos do planeta surgiram desta mesma forma, como foi o caso de nomes como a Google ou a Apple.

O conceito à partida é bastante simples, mas de facto acaba por funcionar bastante bem. Game Dev Tycoon é um simulador em que terão de assumir o papel de um produtor de videojogos independente, desde o início da sua carreira numa garagem, até ao apogeu do percurso, já instalado num moderno parque tecnológico com vários colaboradores prontos a contribuir na produção de verdadeiros "hits", capazes de movimentar somas avultadas de dinheiro e de fazer história na indústria dos videojogos.

4_offices.png

Depois deste pequeno prelúdio, sinto-me na obrigação de esclarecer uma dúvida que pode ter surgido na cabeça de muitos jogadores menos elucidados em relação à verdadeira "polpa" desta obra, uma vez que eu próprio a tive quando entrei pela primeira vez em contato com as informações sobre o jogo, antes de lhe deitar mão. Game Dev Tycoon trata-se de um jogo focado na gestão da empresa, sendo que não se trata de nenhum tipo de Little Big Planet em que poderão criar os jogos propriamente ditos. Em vez disso, vão vos ser oferecidas ferramentas para escolherem o tipo de videojogo que querem criar, bem como o género, nome, audiência alvo, entre dezenas - sim, dezenas - de outras opções que terão ao vosso dispor.

Terão de acompanhar as diversas fases do desenvolvimento do vosso título, escolhendo a quantidade de tempo que a equipa deverá dedicar a cada uma das componentes. A título de exemplo, posso dizer que como poderão calcular não é sensato apostar muito tempo a trabalhar na componente do enredo num jogo de futebol. Assim, terão de fazer escolhas, combinando todos os parâmetros e incumbindo todos os membros da equipa de forma a que o título consiga ser entregue na sua melhor forma.

Captura_de_Ecr_101.png

É um processo algo complexo, principalmente numa fase mais tardia do jogo. No entanto, creio que esse possa ser considerado como um ponto positivo nesta análise a Game Dev Tycoon. Os menus que no início se resumem a meia dúzia de opções no que toca a tópicos e componentes do jogo, rapidamente são preenchidos por diversas novas adições que abrangem ínfimos pormenores de um videojogo: poderão querer que o vosso jogo inclua um determinado tipo de gráficos, uma tecnologia específica de som, companheiros controlados pela inteligência artificial, ciclos de dia e noite, diálogos melhorados, utilização de acessórios específicos, uma economia virtual incorporada e mil e uma outras hipóteses que facilmente ocupariam mais uns quantos parágrafos desta análise.

Como se não bastasse, a Greenheart Games optou ainda por incorporar uma zona em que poderão apostar em campanhas publicitárias para o vosso jogo, ou quem sabe numa ida à E3, onde podem escolher que tipo de Booth pretendem alugar. Em adição, em forma de cereja no topo do bolo, toda a jornada é marcada pela ocorrência de eventos aleatórios extra, sendo que o jogador é incumbido de decidir o que fazer perante determinada situação. Estes extras incluem a possibilidade de sabotar o trabalho das produtoras concorrentes, ou de processar jogadores que tenham tentado piratear o vosso trabalho. Uma boa dose de aperitivos que trazem uma lufada de ar fresco ao nosso dia-a-dia no escritório que pagámos com o suor do nosso trabalho.

Devo dizer que com o avançar das horas de jogo me apercebi que uma boa parte do encanto de Game Dev Tycoon reside no facto de existir uma espécie de pequeno enredo que acompanha o crescimento real da indústria dos videojogos. Sem ele, não creio que o jogo tivesse feito algum sentido. Começamos o nosso negócio numa altura em que as únicas plataformas disponíveis para produção eram o PC e a já velhinha Commodore 64, uma realidade vivida há mais de 30 anos.

A partir daqui, através da nossa garagem, somos convidados a dar o nosso contributo à indústria através da produção de videojogos, acompanhando a revelação, lançamento e descontinuação de produção de verdadeiros fósseis vivos como a NES, a PlayStation 1, ou o GameBoy Color. Cada uma das plataformas tem diferentes caraterísticas, uma cota de mercado verídica e até mesmo um público alvo específico. Uma viagem pela história da indústria, que desde cedo despertou na minha mente uma questão bastante óbvia: em que ponto vai parar esta cronologia? A resposta fica debaixo do pano, à espera de ser descoberta por vocês mesmos.

Aproveito desde já para referir que os pontos negativos que posso apontar a Game Dev Tycoon não são muitos. O jogo é simples, objetivo, bem estruturado e acaba por ter poucas falhas graves - há exceção do nome escolhido, que considero uma desgraça no apelo ao público. Ainda assim, creio que a Greenheart Games podia ter feito algum esforço extra na diversificação da abordagem do jogador aos menus, uma vez que toda a experiência se baseia em cliques dados na globalidade do cenário. Talvez não tivesse ficado mal estabelecer uma determinada zona ou pormenor do cenário para a pesquisa de novas componentes de jogos, outra para o treino dos outros elementos do Staff - algo que fizesse com que o cenário fosse algo mais do que um acrescento, uma vez que desta o a parte gráfica do jogo se torna extremamente obsoleta.

Em adição, creio que toda a correria constante que nos obriga a dividirmos o nosso tempo entre a produção de novos jogos, o treino de funcionários e a pesquisa de novas componentes do jogo se pode revelar bastante saturante para os jogadores menos pacientes. No fundo, tudo o que temos de fazer durante várias horas está limitado a vários cliques em opções de vários tipos de menus, algo que poderá não se mostrar particularmente apelativo para uma larga fatia de jogadores.

Captura_de_Ecr_104.png

Para concluir, posso dizer com certeza que Game Dev Tycoon foi um jogo que me surpreendeu de uma forma que não estava à espera. As expetativas iniciais que tinha eram bastante baixas, uma vez que se tratava de uma produção independente, a primeira de uma dupla promissora constituída por Patrick e Daniel Klug. Felizmente, toda a experiência torna-se divertida e recompensadora a um ponto extremo. Desde a sensação de conseguir lançar o nosso primeiro "hit game", até à desilusão ao ver que uma aposta ambiciosa foi recebida de forma negativa pela crítica, toda a jornada está muito bem recheada e conseguiu deixar-me rapidamente apaixonado.

Ainda que tenha alguns pontos menos bem conseguidos, conforme poderão ter lido acima, o jogo revelou-se rapidamente num simulador bastante aliciante, capaz de me prender ao ecrã durante horas a fio. A profundidade da história da indústria representada, bem como todas as opções de gestão na criação dos jogos contribuem para a criação de uma experiência rica e suficientemente complexa para garantir que esta obra se vai manter no vosso ambiente de trabalho durante uns bons tempos. Por agora ficamos por aqui, tenho de voltar ao meu escritório para trabalhar na produção de "Call of VideoGamer: Modern Jornalism 4", os fãs não podem esperar.