Pedro Marques dos Santos por - Apr 27, 2018

Legendary Gary – Análise

Mais que um jogo sobre alguém que joga videojogos, Legendary Gary é uma reflexão sobre a vida, sobre a difícil transição para a vida adulta, sobre os relacionamentos com amigos e familiares cujas dinâmicas vão sendo alteradas com o avançar da idade, sobre a capacidade para superar as adversidade e sobre o lidar com as responsabilidades que vão sendo colocadas nos nossos ombros sem que possamos fazer muito para as evitar. Legendary Gary tem muito pouco de lendário e muito de mundano.

Mas não se deixam enganar pela frase anterior, Legendary Gary não é um jogo fraco, muito pelo contrário. Não será certamente um daqueles títulos que vos deixará de boca aberta quando o terminarem, mas é uma experiência altamente cativante que não estende a sua duração ao ponto de se tornar cansativo. Pode dizer-se que é uma obra minimalista – apesar dos segmentos do combate não o serem -, contudo, é bem sucedida em praticamente tudo aquilo a que se propõe oferecer.

“Ajuda Gary a tornar-se uma pessoa melhor na sua vida real e uma lenda na sua vida virtual”. É assim que o jogo é promovido no Steam e a descrição não podia ser mais adequada. Gary é um homem a roçar os 30 anos com claros problemas em lidar com a vida que o rodeia. A viver na cave da casa da sua mãe, desempregado e quase sempre colado ao computador a jogar videojogos, o nosso protagonista não está num bom lugar e o jogo faz questão de colocar sempre em evidência a sua inação e pouca produtividade.

Quando estamos a acompanhar Gary no seu dia-a-dia, o título apresenta-se como uma qualquer outra aventura de apontar e clicar com pontos de interação no cenário e escolhas de diálogo. Através das nossas decisões durante esses momentos, Gary ganhará ou perderá motivação para enfrentar e superar que surgirão no seu caminho. Na verdade, em momentos chave deste lado da narrativa, existirão opções de diálogo que apenas estarão disponíveis se o vosso nível de motivação estiver acima de determinado valor.

Quando encontra tempo livre, encontraremos Gary a jogar Legend of the Spear, uma aventura misteriosa que rapidamente começa a traçar inúmeros paralelismos com a vida de Gary. Aqui, um jovem guerreiro prestes a casar com a Princesa de um Reino vê essa cerimónia ser interrompida por um velho e poderoso inimigo do Rei, forçando este a desaparecer e ao guerreiro a partir numa aventura para o encontrar e assim aceder ao poder necessário para derrotar a ameaça que procura destruir este mundo.

Sem surpresas, Legend of the Spear não foge muito aos habituais canones das histórias de Role Playing Games, no entanto, a forma como serve de espelho ao que vai acontecendo na vida de Gary permite que se mantenha interessante. Isso é especialmente verdade nos momentos em que a progressão das duas narrativas ficam dependentes uma da outra. Ainda assim, é uma pena que algumas personagens da vida de Gary não tenham o tempo de antena que talvez mereciam.

No fundo, acredito que Legendary Gary seria uma obra ainda mais agradável se nos permitisse socializar mais com as pessoas importantes da vida de Gary e participar em mais batalhas no mundo de Legend of the Spear. Como já referi, estas batalhas são o elemento mais complexo da obra e traduzem-se em confrontos bastante interessantes. Assente num combate por turnos numa grelha de movimentos, as batalhas do título destacam-se pelo facto de todos os intervenientes se movimentarem em simultâneo e pela possibilidade de prever o resultado das nossas ações e das ações dos inimigos antes de fazer a ação avançar.

Essencialmente, isto transforma o combate em confrontos altamente estratégicos que muitas vezes se tornam desafiante não pela perigosidade dos inimigos, mas sim pela dificuldade que temos em lhes causar danos, seja porque bloqueiam todos os ataques ou porque têm habilidades especiais que dificultam a nossa aproximação aos mesmos. De uma forma geral, as batalhas mais longas foram aquelas contra somente um inimigo e foram-no precisamente pelo processo de tentativa e erro necessário para descobrir a tática ideal para quebrar as estratégias defensivas do oponente.

Mesmo ficando com a sensação de que estes dois elementos da obra poderiam ser sido mais utilizados e aprofundados, Legendary Gary oferece uma experiência sólida durante as seis horas que necessitei para o concluir. Suportada por um grafismo que transforma a obra numa espécie de banda desenhada em movimento e numa banda sonora de música electrónica que acompanha de forma eficiente as batalhas, este é um jogo daqueles que pretendem uma aventura diferente que pode ser acabada em uma ou duas tardes.
 

veredito

Jogar um RPG sobre alguém que está a jogar um RPG é um conceito estranho, mas resulta em Legendary Gary. Com um combate por turnos interessante e estratégico, a vida pouco espectacular de Gary oferece um olhar otimista sobre a recuperação de alguém nela perdido.
8 Grafismo estilo banda desenhada. Combate por turnos apelativo. História toca em temas importantes. Nem todas as personagens brilham.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Legendary Gary

para PC

Lançado originalmente:

20 February 2018