Não é surpresa nenhuma que, depois de inúmeros anos a colocar obras no mercado assentes numa fórmula que se tem mantido praticamente inalterada, os títulos da TT Games, a produtora que se dedica quase em exclusivo à adaptação de propriedades intelectuais de alta popularidade ao formato LEGO videojogável, tenham há muito perdido a capacidade para nos surpreender de sobremaneira. Essa capacidade fica ainda mais debilitada quando se tratam de títulos que seguem narrativas já contadas em outros formatos, nomeadamente no grande ecrã.

LEGO The Incredibles é mais uma obra baseada em material já existente, tendo a tarefa de adaptar uma das mais aclamadas série da Pixar aos videojogos sob a alçada da LEGO. Todos estes anos depois, o filme original sobre a família Parr continua ser um dos melhores que a Pixar alguma vez produziu e um dos melhores filmes de super-heróis num mercado entretanto saturado dos mesmos, pelo que o interesse era algum para descobrir como é que a produtora seria capaz de fazer jus à qualidade do filme e da sua recente sequela.

Terminada a campanha que retrata os eventos do segundo e do primeiro filme, por esta ordem, fica bastante claro que, mesmo sem grandes inovações, LEGO The Incredibles oferece uma experiência extremamente agradável para toda a família. Na verdade, diria que das muitas obras LEGO inspiradas em películas cinematográficas que tive oportunidade de jogar ao longo dos anos, esta é uma das melhores. Isso deve-se em grande parte ao facto da propriedade intelectual em questão se prestar bastante bem ao humor habitual destes títulos.

Mesmo servindo-se das linhas de diálogo dos filmes, a obra consegue frequentemente provocar gargalhadas com o seu humor visual e com a introdução de interações que não existem nos filmes. Utilizado muitas vezes como a principal arma para manter o jogador motivado, o humor da TT Games colide por vezes com o tom dos trabalhos em que se inspira. Felizmente, isso não se verifica aqui, sendo esta uma das obras recentes da produtora em que a ferramenta é aplicada com maior sucesso.

Dito isto, não há como negar que a estagnação ao nível da jogabilidade continua a fazer com que jogar estes títulos de forma sucessiva se torne algo cansativo. Existem alguns segmentos em que a produtora quebra com as secções de ação e puzzles que a caracterizam, mas não é suficiente para diversificar verdadeiramente aquilo que vamos realizando ao longo das aventuras. O combate continua assente no martelar de botões, embora as diferentes personagens tenham também um ataque super que elimina de uma só vez todos os inimigos no cenário, e os puzzles continuam bastante simples.

Ainda assim, é de salientar a forma como o título utiliza os diferentes poderes especiais de cada personagem para a resolução dos puzzles, obrigando-nos muitas vezes a combinar poderes de mais que uma personagem em simultâneo. Essencialmente, isto significa que LEGO The Incredibles é uma proposta bastante apetecível para aqueles que o pretendam desfrutar em modo cooperativo com um segundo jogador. Nota-se também um esforço para oferecer um maior espetáculo visual durante o combate para compensar a sua falta de profundidade.

Como é tradicional nestes títulos, o jogador tem à sua disposição um mundo aberto, composto pelas cidades de Municiberg e New Urbem, recheado de atividades secundárias para realizar e segredos para descobrir por parte dos que pretenderem completar a obra na sua totalidade. Uma das novidades neste departamento são as Crime Waves que nos pedem para ajudar os civis, colocando um ponto final em ondas de crime em determinadas zonas das cidades através da conclusão de objetivos. Basicamente, estas atividades servem como uma interessante distração entre missões principais, podendo ser realizadas pelas diferentes personagens que vão desbloqueando ao longo da campanha.

No departamento técnico, LEGO The Incredibles preserva o estilo visual que vem caracterizando as obras da TT Games, transformando com sucesso o mundo da família Parr em LEGO sem perder, no entanto, uma enorme atenção ao detalhes e a capacidade para produzir efeitos visuais de muito boa qualidade. Obviamente, a banda sonora e a vocalização mantém as qualidades dos filmes em questão, suportando com sucesso a jogabilidade.

LEGO The Incredibles não é a obra que revolucionará a fórmula explorada até à exaustão pelos jogos da TT Games - ou seja, não será esta obra que vai converter aqueles que não gostaram dos esforços anteriores da produtora -, mas isso não o impede de ser uma proposta de qualidade para toda a família que se torna ainda mais apelativa graças à existência do modo cooperativo. Tendo no humor o seu principal trunfo, as fraquezas da obra serão tanto mais notórias, quanto maior for o número de títulos LEGO que tenham jogado no passado recente.