Depois de um arranque extremamente auspicioso, a Deck Nine Games conquistou a atenção e o entusiasmo dos mais cautelosos e pessimistas fãs de Life is Strange, a série episódica que lançou a Dontnod para o estrelato e que goza de uma das mais ferverosas comunidades na indústria dos videojogos. A ansiedade e a vontade de regressar o mais rápido possível à solarenga vila piscatória de Arcadia Bay era muita e depois de quase dois meses de espera, foi precisamente isso que tivemos oportunidade de fazer.

LiS Before the Storm Ep 2 Analise

Ainda que o primeiro capítulo desta prequela inesperada tenha surpreendido pela positiva, a dúvida permanecia na mente dos jogadores. Conseguiria a produtora manter o nível durante os restantes episódios? Conseguiria a narrativa entregar-nos algo que valesse verdadeiramente a pena e que não se transformasse em mais uma de muitas prequelas inconsequentes e desnecessárias? Atirando o cinismo e o pessimismo para trás das costas, o principal mérito do segundo episódio é deixar-nos desapontados por sabermos que resta apenas mais uma estadia nesta formidável aventura.

Intitulado Brave New World, o segundo e penúltimo capítulo desta trilogia não impressiona da mesma forma que o seu antecessor o fez, mas volta a demonstrar que estamos perante uma obra que compreende na perfeição aquilo que o mundo de Life is Strange tem de melhor para nos oferecer. Tal como aconteceu na série original, não existe como negar que Before the Storm tem um certo charme, uma característica difícil de precisar que lhe permite brilhar, mesmo quando a experiência é afetada por problemas evidentes.

LiS Before the Storm Ep 2 Analise

Seja o estranho, tranquilo e obscuro mundo de Arcadia Bay, as personagens que lhe dão vida e a personalidade ou o tom juvenil e algo nostálgico da aventura da nossa atribulada protagonista, a série consegue facilmente captar a nossa atenção e segurá-la ao longo da sua duração. O novo episódio não foge à regra e mesmo depois de um arranque algo morno, não demora muito até que mais uma interação entre Chloe e a sua nova amiga Rachel nos relembre das razões que tornam esta experiência tão especial. Uma simples conversa que serve essencialmente para recapitular eventos anteriores foi tudo o que precisei para ficar novamente investido na história que o jogo tem para me contar.

Algo semelhante já tinha acontecido no primeiro episódio, o que revela alguma dificuldade para iniciar de forma mais confiante e assertiva os capítulos. Apesar da sua relevância para a progressão da narrativa e da forma como estabelece vários pontos de ligação com a aventura de Max Caulfield, a primeira hora de Brave New World sofre com vários momentos mortos e puzzles que nos fazem recordar os “bons” velhos tempos em que estivemos à procura de garrafas na sucata. A sequência que abre o episódio peca também pela forma como acaba por realçar os problemas técnicos da obra, nomeadamente as animações questionáveis e muitos, muitos silêncios constrangedores entre falas durante os diálogos.

LiS Before the Storm Ep 2 Analise

Ultrapassadas as dores de crescimento, são as interações, a dinâmica e a química entre as duas jovens que mais brilham e voltam a elevar a experiência para os patamares de qualidade desejados. Alicerçada num elenco secundário bem mais cativante do que aquele que marcou presença na série original, Before the Storm está no seu melhor quando deixa as conversas entre as personagens assumir o papel de maior destaque, independentemente da sua contribuição para o arco narrativo que caracteriza esta aventura.

Brave New World destaca-se igualmente pela forma como força os jogadores a tomar várias decisões difíceis e incómodas, decisões em que nenhuma das opções disponíveis é particularmente apelativa. Na verdade, houve momentos em que desejei que Chloe tivesse o poder de Max para rebobinar o tempo e modificar as minhas decisões. O seu impacto no rumo da narrativa não parece ser muito, mas isso ignora o facto de que são as relações que estabelecemos ao longo da aventura com outras personagens que melhor definem a nossa experiência com a obra.

LiS Before the Storm Ep 2 Analise

Tendo lugar no dia imediatamente seguinte aos eventos do episódio anterior, o novo capítulo de Before the Storm volta a seguir o seu próprio caminho, a focar-se na história que pretende contar e não em servir como rampa de lançamento para a obra da Dontnod. Os pontos de contacto com a aventura original são muitos, obviamente, mas a Deck Nine Games criou uma experiência que consegue sobreviver sem depender do legado deixado pelo título protagonizado por Max. Para lá de algumas personagens em comum, a narrativa tenta e consegue contar-nos uma história nova que, mesmo não sendo essencial, serve para dar uma maior robustez às personagens que estão no centro da série.

Com dois dos três capítulos já disponíveis, Life is Strange: Before the Storm continua a cimentar o seu estatuto como uma das melhores surpresas do ano e o final deste episódio deixa-nos já ansiosos pela chegada da sua conclusão. Apesar de demorar algum tempo a ganhar tração, Brave New World volta a provar que são as personagens e as suas interações o melhor elemento da série, proporcionando algumas decisões complicadas pelo caminho e vários momentos memoráveis - como uma peça de teatro recheado de dramatismo exagerado e improvisação. Como é habitual na série, a banda sonora permanece um dos melhores elementos de uma experiência que volta a conseguir disfarçar com sucesso as suas fraquezas.