Já imaginaram a pressão de serem irmãos de um astronauta? Ou de um Papa? Se Luigi fosse real, certamente sentiria isso na pele todos os dias em relação a Mario. O seu criador, Shigeru Miyamoto, sabia que tinha que começar a equilibrar os pratos da balança e a dar mais protagonismo ao irmão mais novo. Talvez por isso, em 2002, foi publicado Luigi's Mansion, o jogo mais popular no lançamento da GameCube, com mais de 2.3 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Os fãs deixaram-se contagiar pela mansão assombrada e quando terminaram o jogo ficaram à espera de mais, mal sabendo que teriam um desespero de mais de dez anos à sua frente.

A espera acabou e Luigi's Mansion 2 prepara-se para chegar à Nintendo 3DS no final do mês. Supervisionado por Miyamoto e com a produção entre aos estúdios Next Level Games, o jogo chegará ao mercado português totalmente traduzido para a nossa língua. Basta terem a vossa portátil com o idioma certo e podem usufruir de um trabalho cuidado e atento às nuances do humor usado em inglês. O professor Anacleto Luado (A. Luado, perceberam?) estava a realizar experiências científicas quando uma sombra estilhaça a Lua Negra, espalhando os seus fragmentos pelo vale das sombras. O efeito secundário de tal gesto espalha um nevoeiro que faz transparecer o lado mais hostil dos fantasmas. Obviamente, não demora muito para que o professor convoque Luigi a regressar ao ativo. O protagonista amedrontado tem à sua frente um verdadeiro teste à sua coragem: salvar os Toads capturados e recuperar todas as partes da Lua Negra.

É muito fácil aprender os cantos à casa: a partir do seu laboratório, o professor Anacleto supervisiona o decorrer das operações, enviando Luigi para o terreno e fornecendo-lhe dicas úteis através de uma Nintendo DS, ou seja, uma Nintendo Duplo Susto. No final de cada missão o protagonista é teletransportado de volta para o laboratório do professor. A primeira grande novidade é que a história de Luigi's Mansion 2 desenrola-se por cinco mansões, em vez de apenas uma. Como seria de esperar, cada mansão é mais pequena do que a visitada no jogo original, todavia, a soma do quinteto catapulta a longevidade para uma dezena e meia de horas.

Depois de terem apanhado o Sugospectro 5000, um aspirador capaz de apanhar fantasmas, e uma lanterna com duas funções: encadear os fantasmas e emitir um arco-íris que revela segredos escondidos nos diferentes cenários do jogo. Ao longo do jogo vão apanhar dezenas de fantasmas, o que poderia fazer com a mecânica central depressa caísse numa rotina aborrecida e enfadonha. Tal nunca chega a acontecer porque a produtora certificou-se que o processo é extremamente divertido e desafiante. O processo é bastante simples: sempre que estiverem perto de um fantasma, a captura começa com o uso da lanterna. Um flash torna-os vulneráveis e prontos a serem sugados. Cada fantasma tem um contador que indica a sua resistência. Enquanto tiverem o vosso Sugospectro 5000 apontado ao fantasma esse contador vai decrescendo. Ao mesmo tempo deslizam o analógico na direção oposta à vontade do fantasma, o que faz com uma barra se vá enchendo até que seja possível pressionar o botão A, o que normalmente acaba com alguma réstia de resistência que o fantasma ainda possa ter. O que começa com uma batalha de cinco segundos não demora muito a prolongar-se com a inclusão de fantasmas maiores, mais resistentes e com algumas artimanhas que ajudam a variar o processo e a dramatizar a tensão de cada encontro imediato de terceiro grau.

O único problema da jogabilidade aparece quando está mais do que um fantasma em simultâneo no ecrã. À falta de um segundo analógico, apontar a lanterna para cima ou para baixo está dependente dos botões X e Y. Além disso, para cegar vários fantasmas ao mesmo tempo têm que manter pressionado o botão para que a lanterna emita um disparo de luz mais abrangente. A conjugação destes factores resulta várias vezes em momentos atrapalhados que são pagos com a nossa vida, ou melhor, com a sua perda. E não querem perder a vida toda, porque apesar das missões não serem muito longas, isso significa regressar ao ponto de partida, já que não foram incluídos checkpoints.

Quando não estiverem de aspirador apontado aos fantasmas, é recomendável que explorarem todos os "cantos à casa". Qualquer uma das mansões está recheada de pequenos bónus para aqueles que ousarem sair do caminho mais direto. Desde corações que ajudam a restabelecer a vida a pedras preciosas, passando por dezenas de notas e moedas, tudo é contabilizado no final de cada missão concluída com êxito, atribuindo uma classificação baseada no vosso desempenho. Convém ainda referir que o dinheiro apanhado servirá também para melhorar a vossa máquina de sucção.

O ecrã tátil da portátil exibe um mapa da mansão dividido pelos vários pisos que a compõe. Isto não só ajuda os mais aventureiros como é uma ferramenta útil para quem anda apenas à procura do caminho certo. As divisões onde está algo relacionado com a vossa missão estão assinaladas com um ponto de exclamação. Além disso, está ainda disponível a opção de aumentarem e diminuírem o zoom do mapa, assim como a contagem do vosso dinheiro, quanta vida ainda têm e uma secção dedicada aos itens temporários, como as chaves que apanham para abrir portas encerradas.

Quando não estiverem a tentar completar o modo principal com as melhores classificações, podem navegar por outros cantos do jogo. No canto do professor podem consultar X parâmetros: Contentor de fantasmas, Coleção de Joias, Melhoramentos e Contentor de Bus. Contudo, será na Torre dos Sustos que passarão grande parte do tempo. É a partir de aqui que poderão aceder aos vários modos multijogador. Podem jogar localmente com amigos que tenham uma cópia de Luigi's Mansion 2, ou então podem espalhar a vossa destreza pelo online, onde podem jogar com outros três jogadores.

O multijogador online é composto por três modos de jogo: Caça, Tempo e Fantacães. No primeiro faz com que os jogadores unam esforços e apanhem fantasmas o mais rápido possível, no modo Tempo somos desafiados a encontrar a saída o mais rapidamente possível e no terceiro modo recorram à luz negra para apanhar canídeos de outra dimensão. Qualquer um dos modos de jogo tem três graus de dificuldade, o que serve para ajustar a diversão multijogador à vossa capacidade. Se a solo o d-pad é usado para ouvir Luigi a dizer "Hello" em vários tons, no multijogador podem usar as quatro direções par pedir ajuda, agradecer ou apenas cumprimentar quem está na mesma sala de jogo.

As mansões apresentam-se cheias de carisma, cada uma com os seus detalhes gráficos que criam a atmosfera inconfundível da saga. Qualquer um dos cenários é tecnicamente bem concebido e a framerate aguenta bem com as investidas dos fantasmas ou com aquele detalhe que só será visto por uma ínfima parte dos jogadores. Certo é que está lá e coloca um sorriso em quem os for descobrindo. Por falar em atmosfera é impreterível falar do som: as músicas conseguem encontrar o equilíbrio entre o assustador e o cómico. Claro que umas são mais inspiradas que outras, mas seja qual for, é certo que será interrompida pelos suspiros e sustos do Luigi.

Luigi's Mansion 2 foi vítima de alguns problemas durante a produção que resultaram em vários adiamentos, contudo, o produto final é um jogo sólido, imbuído pelo carisma que tanto fez pelas vendas do jogo original. Ainda uma palavra de apreço para a tradução portuguesa. Quem já viu um filme ou uma série, sabe perfeitamente que muitas vezes o humor perde-se na tradução, felizmente não foi o caso e quem jogar Luigi's Mansion 2 em português vai encontrar várias frases capazes de lhe esboçar um sorriso. A jogabilidade atrapalhada em algumas secções mais preenchidas e a falta de checkpoints são duas pequenas falhas que não estragam a estrutura principal do jogo. Esperamos que o próximo jogo não esteja a uma década de distância.