Quando chegam os Jogos Olímpicos, no mundo dos videojogos temos um evento entre duas mascotes nipónicas num título concebido para as plataformas Nintendo. A celebração deste grande evento desportivo ocorre este ano em Mario & Sonic at the Rio 2016 Olympic Games, que colocará os jogadores em vários desafios a usar o repertório de funções únicas da Nintendo 3DS.

Mario & sonic in rio

Vocês irão escolher um Mii que vos representará nos Jogos Olímpicos Rio 2016, para ganhar medalhas de ouro nas várias modalidades que vão participar. Mas primeiro há uma opção crucial a tomar: ir para a equipa Mario ou para equipa Sonic. Uma vez decidido quem querem seguir, serão colocados no quartel de treinos da vossa equipa, que no caso da equipa do Reino Cogumelo, a minha primeira opção, será em Copacabana.

Em pequenos locais da cidade olímpica no Rio de Janeiro, onde se situam os estádios e complexos desportivos onde se vão disputar as provas, como o emblemático Estádio do Maracanã e a Praia de Copacabana, onde os atletas dos mundos da Nintendo e da SEGA vão competir pelas medalhas de ouro tão cobiçadas, como por exemplo, em diversas modalidades do Atletismo e Voleibol de Praia.

Mario & sonic in rio 2016

Explorar os locais podem vos levar a alguns segredos onde poderão encontrar fruta, a unidade monetária do jogo, para gastarem nas lojas do Yoshi para comprarem novo equipamento que vos elevará as vossas capacidades físicas. O Mii terá de treinar, processo que o fará cada vez mais apto para enfrentar os seus concorrentes.

Mas o que limita o progresso por níveis é a possibilidade de vestir e colocar certos tipos de roupas e chapéus. No entanto, em nenhuma ocasião consegui sentir o meu Mii mais capaz, ou com características insuficientes determinadas pelos dados estatísticos para completar um determinado desporto. Estas foram relegadas à minha capacidade de perceber e de entrar no ritmo pretendido pelos minijogos em questão.

Mario & sonic in rio 2016

São dezenas de minijogos oferecidos - mais precisamente quarenta e quatro. Muitos são variantes das mesmas modalidades, como o Badminton e a Canoagem. No primeiro temos um jogo disputado normalmente até chegar aos três pontos, enquanto que numa outra variedade, temos simplesmente de estar atentos à trajetória do volante e batê-lo com a raquete se estiver na direção interior do campo ou baixar-nos caso este venha a ultrapassar o limite do fundo do campo. Já na Canoagem, temos uma situação em que temos de acelerar a rodar o botão deslizante, enquanto que numa segunda versão bem original temos de replicar, com a consola nas mãos, os movimentos ritmados dos remos.

Como era de esperar o jogo anda aos altos e baixos no que à criatividade diz respeito. Temos a tradicional corrida dos cem metros que nos pede para transformar o nosso dedo num autêntico martelo pneumático de alta velocidade, ou no salto em altura quando nos pedem para simplesmente manter o botão deslizante inclinado e largá-lo quando achamos que a barra de energia está suficientemente preenchida.

Mario & sonic in rio 2016

Até eventos como Badminton, Voleibol de Praia e Ténis de Mesa tornam-se desinteressantes com resultados a irem apenas aos três pontos. Porém se nos treinos e eventos normais, a jogabilidade é desinspirada, nos Plus Events temos um novo apelo para continuar a jogar.

Os Plus Events são o que de melhor há em Mario & Sonic - poderia dizer que são a cereja no topo do bolo ou a joia da coroa, mas é impossível aplicar estas expressões quando o cerne nem sequer é aprazível quanto baste. Estes novos modelos de jogo acrescentam às modalidades a essência que define um videojogo da linhagem Mario ou Sonic.

Mario & sonic in rio 2016

No Ténis de Mesa e no Voleibol de Praia temos o campo dividido zonas para onde a bola tem de bater. Os pontos são depois atribuídos conforme a o somatório dos números assinalados no terreno. No sprint de 100 metros temos uma corrida repleta de power-ups, como se de um jogo da série da casa de Quioto se tratasse.

Os últimos dois grandes jogos, ou seja, aqueles a que a produção mais tempo dedicou são o Futebol e o Golfe - o segundo é uma estreia nos Jogos Olímpicos. Têm muito mais profundidade de mecânicas e sistemas do que a restante oferta, mas nada de realmente extensivo, todavia não me sai da cabeça que se a mesma atenção e cuidado fossem dados aos outros desportos, tínhamos um título bem mais completo. Uma relação dinheiro/conteúdo bem mais justa.

Mario & sonic in rio 2016

A apresentação, de um modo geral, está bem estampada com o espírito olímpico de ambos os universos das licenças que representam. O ritmo característico do samba e das músicas tradicionais do Brasil estão lá, apesar de que ao sétimo dia de provas desportivas vão preferir descer o controlador do volume da vossa portátil de tão limitado que é o catálogo sonoro do jogo. O visual é igualmente exemplar na representação da miríade de personagens já bem conhecidas pelo seu público.

Esta amálgama de minijogos é agradável enquanto o fator novidade não esmorecer. Infelizmente, esta é uma consequência de jogos muito rápidos na sua conclusão e de serem muito superficiais para uma experiência duradoura. Nem por usar praticamente todas as capacidades da Nintendo 3DS que este título se safa da mediocridade.