Pedro Marques dos Santos por - May 28, 2018

Omensight – Análise

Dos produtores de Stories: Path of Destinies, Omensight – obra que tem lugar no mesmo universo do jogo previamente mencionado – é uma experiência de grande qualidade que merece, sem dúvida, mais atenção e reconhecimento que aquele que tem obtido até ao momento. Acima de tudo, é um título que está nas plenas posses das suas faculdades e que sabe perfeitamente aquilo que pretende oferecer e a melhor forma de o fazer, sem tentar reinventar a roda desnecessariamente.

Assumindo o controlo de Harbinger, uma criatura mítica cuja simples presença indicia que o fim do mundo está iminente, o jogador terá de evitar precisamente isso, isto é, a destruição do mundo por um ser de enorme poder aprisionado há muito numa dimensão alternativa, mas prestes a ser libertado por motivos que teremos de descobrir. Com auxílio de quatro personagens distintas e com papéis importantes a desempenhar na guerra interminável entre dois reinos de criaturas antropomórficas, teremos de partir numa investigação com diversas fases até chegar à verdade.

Tal como o aclamado filme Groundhog Day, Harbinger terá de se aventurar com cada uma das personagens durante o último dia do mundo e descobrir dessa forma a informação necessária desbloquear diferentes percursos e desvendar novos pedaços de uma cativante narrativa sempre pronta a surpreender-nos, a mostrar-nos lados diferentes dos indíviduos, a dar-nos a conhecer a forma como o conhecimento pode moldar as crenças e motivações de alguém e reescrever o rumo da história.

Transformando este constante reviver do último dia antes da destruição final numa investigação para obter pistas sobre as origens do acontecimento e aquilo que é necessário fazer para o evitar, Omensight mantém o jogador interessado do princípio ao fim com a frequente descoberta de nova informação. Apesar do inevitável desfecho e regresso ao início do dia em que tudo foi desta para melhor, a experiência nunca se torna cansativa, conseguindo preservar a frescura ao longo das suas quase oito horas de duração.

Muito disso deve-se, obviamente, à intrigante narrativa, mas também à qualidade da escrita e caracterização das quatro personagens que servirão de companheiros às nossas sucessivas investidas pelo mundo de Pygaria. Como já referi, a revelação de nova informação e a aliança temporária a qualquer uma delas mostra-nos lados diferentes de nomes que se apresentam inicialmente como seres unidimensionais. Ratika por exemplo, um rato que canta e lidera a fação de Rodentia nesta guerra, é incrivelmente charmosa e oferece um tom completamente distinto à experiência.

Embora o jogo nos indique quase sempre o percurso mais indicado a seguir, a progressão está longe de ser linear. Aliás, a experimentação é até recomendada, uma vez que só assim serão capazes de desvendar na totalidade os momentos narrativos e as pistas que o título contém. Não precisam de o fazer para concluir a aventura, mas serão sempre recompensados se assim o fizerem. Para além dos pedaços da narrativa adicionais, explorar ao máximo este último dia permitirá também chegar até áreas apenas alcançáveis após obterem determinada habilidade ou se lá passarem como determinada personagem.

No departamento da jogabilidade propriamente dita, Omensight pode ser caracterizado como um título de ação e plataformas – apesar destas últimas nunca representarem qualquer tipo de desafio. Com inimigos em crescendo de dificuldade, a obtenção de experiência e Amber será essencial para elevar o nível de Harbinger e adicionar algumas importantes habilidades ao seu arsenal, como por exemplo a possibilidade abrandar momentâneamente o tempo.

Sejam aumentos de saúde, aumentos da duração das habilidades ou aumentos do dano da nossa espada, existem muito aspectos por onde melhorar a nossa protagonista consoante as vossas preferências, embora seja perfeitamente exequível que cheguem ao final da obra com todas as habilidades e melhorias obtidas. Uma vez que aquilo que passarão mais tempo a fazer será enfrentar inimigos, importa salientar que o combate Omensight assemelha-se bastante ao estilo popularizado pela série Batman Arkham da Rocksteady.

Não tem, sem grandes surpresas, a profundidade ou a precisão das obras protagonizadas pelo Cavaleiro das Trevas, mas denota um esforço para oferecer batalhas fluídas nas quais a protagonista se movimenta rapidamente entre inimigos, sendo premiada com um ligeiro abrandar de tempo sempre que consegue esquivar-se na "Hora H" às investidas dos oponentes. Não consegue evitar que, por vezes, sintamos que a personagem não é suficientemente rápida a responder aos nossos comandos, mas nada que afete gravemente a experiência.

Já no que diz respeito ao seu estilo visual, Omensight é um regalo para os olhos, apresentando-nos uma aventura recheada de vistas extremamente belas e com uma utilização inteligente das cores para dar mais vida ao ambiente que nos rodeia. O próprio design das personagens e as cinemáticas que as introduzem contribuem de igual forma para aquilo que se pode caracterizar com uma experiência bela e charmosa, sendo que o único defeito passível de lhe ser apontado é que nas horas finais começa a ser notória a repetição dos mesmos cenários. Por sua vez, a banda sonora consegue muitas vezes dar um tom épico à aventura, recorrendo frequentemente a toques orquestrais acompanhados de coro.

Omensight é uma daquelas experiências de fácil recomendação. Não é uma obra transcendente que ficará nos livros de história desta indústria, mas é um título que concretiza com sucesso todas as ideias que pretende implementar na aventura. Uma narrativa interessante entregue de forma a manter o jogador sempre motivado a continuar, um curto – mas excelente – elenco de personagens capazes de suportar o peso da história e um combate competente são argumentos mais do que suficientes para justificar o preço de admissão.

veredito

Omensight oferece uma experiência que apenas não se torna repetitiva graças à mestria com que praticamente todos os seus elementos são executados. Personagens interessantes, narrativa intrigante e um combate sólido suportam com sucesso a aventura.
8 Narrativa contada de forma inteligente. Boa caracterização das personagens. Combate competente. Alguma repetição de cenários.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Omensight

para PC, PlayStation 4

Lançado originalmente:

01 January 2018