Mais uma vez, o insucesso da Wii U demonstra ser fulcral para o sucesso da Nintendo Switch. Pikmin 3 Deluxe reafirma a posição dominante da produtora japonesa que continua a ser uma das mais criativas e originais no mercado de videojogos. Há uma harmonia entre as mecânicas de jogabilidade e a sua evolução ao longo do jogo, que fazem de Pikmin 3 Deluxe uma obra facilmente recomendável, mesmo se já têm uma experiência prévia com o jogo.

Entre as várias novidades anunciadas para este título levar a nomenclatura Deluxe, destaca-se a possibilidade de se poder jogar Pikmin 3 com mais um amigo. Outra novidade que convém sublinhar é o novo nível de dificuldade Ultra Spicy para testar as habilidades dos jogadores que passam facilmente a campanha e querem um desafio adicional. Importa também não esquecer de mencionar as novas missões Side Story com os heróis Olimar e Louie.

A Nintendo é muito mais do que Mario ou Zelda e, quando se lembra de correr riscos, às vezes acerta em cheio. Não é por mero acaso que Pikmin 4 é tão pedido pelos fãs da casa de Quioto nas redes sociais ou em fóruns. Pikmin 3 tem um charme muito próprio e poder jogá-lo a dois em tudo o que o jogo tem para oferecer é uma possibilidade fenomenal.

Pessoalmente, só joguei Hey! Pikmin na Nintendo 3DS. Gostei bastante do resultado final, num jogo que funcionava em três dimensões, este passou a ter menos uma, mas acabou por frisar que se pode continuar a ter um excelente design de níveis, mesmo que reformule a receita para um jogo estratégico. Assim, ir para Pikmin 3 foi uma boa surpresa, pois descobri uma autêntica pérola a que relativamente poucos jogadores prestaram atenção.

Pikmin 3 coloca três astronautas em busca de alimento para o seu própria planeta. Não demorará muito até encontrarem alimento e uma preciosa ajuda para cumprir esta tarefa: as criaturas Pikmin. Estes pequenos seres vivos coloridos são, com se adivinha, a peça central do jogo. Com os Pikmin vão conseguir recolher fruta de dimensões consideráveis, mas neste mundo há regras e, por isso, não é só recolher literalmente os frutos do vosso trabalho, é preciso ter cautela com com a fauna e a flora do planeta em que aterraram.

Os primeiros Pikmin com que se cruzam são os vermelhos (bons lutadores e resistentes ao fogo), os cinzentos (são muito duros e podem partir cristais) e os amarelos (podem ser atirados para plataformas mais altas e são condutores de eletricidade). Todos têm um papel preponderante na resolução de puzzles para se conseguir recolher alimento. Se forem para uma gruta, serão os Pikmin amarelos que vos vão permitir acender uma luz; se houver uma barreira de vidro para chegar à tal gruta, vão precisar dos Pikmin cinzentos; e para despachar inimigos basta usar os vossos amigos vermelhos. É uma questão de serem bons observadores e colocarem os Pikmin corretos no vosso esquadrão.

Depois, ainda há Pikmin azuis que podem entrar na água, sem o risco de falecerem, e que vão ser úteis para regressar a níveis anteriores onde há fruta submersa em pequenas poças de água. Ainda há mais um tipo de Pikmin: são criaturas cor de rosa com asas que têm bastante utilidade na recolha de fruta em locais de difícil acesso, porque podem sobrevoar o terreno e ir por um caminho mais direto, poupando assim tempo.

Não podem explorar o planeta tanquilamente, só o podem fazer durante o dia, porque quando o sol se põe os predadores noturnos saem da toca para caçar Pikmin e como vocês andam com um esquadrão destas criaturas é muito arriscado continuar a explorar o planeta. Isto não só vos obriga apenas a serem bons gestores do vosso tempo, como também a serem bons estrategas para que, no final do dia, consigam fazer as tarefas que tinham planeadas e terem os vossos Pikmin sãos e salvos junto ao S. S. Drake.

Este sistema que vos condiciona a jogabilidade não é mau e coloca alguma urgência nas nossas atividades. Assim somos investigadores científicos e exploradores do Espaço com uma missão de certa importância e com um risco iminente - não estamos só a passar férias.

Nas novidades também está incluída uma Piklopedia, uma enciclopédia escrita de acordo com as personalidades das várias personagens, ou seja, com um tom ligeiramente cómico. É uma secção do menu que vale a pena visitar, não só pelo valor enciclopédico repleto de informação, como também pelos textos divertidos que se podem lá ler. E para aumentar consideravelmente o tempo passado em Pikmin 3 Deluxe há um sistema de Achievements e sempre que conquistarem um recebem uma medalha a condizer.

A grande razão pela qual os jogadores vão querer voltar a Pikmin 3 é a inclusão de novas missões na secção Side Story. Felizmente, a segunda parte das missões protagonizadas por Olimar e Louie é bem mais rica rica do que a primeira fatia do conteúdo adicional da versão Deluxe. São missões com bastante consistência, em termos do que oferecem para expandir o conceito da jogabilidade, não é algo que se pode classificar como desenxabido, é mais material que complementa o jogo original.

Tecnicamente, Pikmin 3 Deluxe comporta-se muito bem no Modo Portátil da consola da Nintendo. Até a própria água é um dos elementos do jogo que mais sobrersai por tão bem replicado que está, tanto em termos de Física como visualmente. E mesmo quando Pikmin 3 Deluxe se tenta aproximar de um certo fotorealismo, nunca o faz, prestando mais importância aos detalhes dos pequenos seres do estranho planeta onde fomos aterrar.

Se já jogaram Pikmin 3 na Wii U, esta versão Deluxe é uma boa desculpa para voltarem ao exclusivo da casa de Quioto. E se tiverem um amigo para jogar este título, do início ao fim, recomenda-se vivamente que o façam. Assim, um dos jogadores lidera a aventura e o outro assume um papel de suporte. Em suma, a Nintendo Switch ganha mais algum fulgor sem que a Nintendo tenha de gastar muito tempo e dinheiro a lançar um jogo completamente novo e original.