por - Jan 28, 2019

Pikuniku – Análise

Pikuniku, obra desenvolvida pela produtora Sectordub e publicada pela prolífica editora da cena indie, a Devolver Digital, é uma experiência que pode ser agrupada naquele conjunto de videojogos que se caracteriza acima de tudo por ser completamente inofensivo. Essencialmente, isto significa que estamos perante um jogo que executa todos os seus departamentos de forma bastante competente, mas que acaba por carecer daquele ingrediente especial que lhe permita dar o salto para um patamar mais elevado, um patamar que o torne memorável.

Concluída a sua curta aventura, que pode perfeitamente ser terminada numa só tarde, não restam quaisquer dúvidas que Pikuniku é efetivamente um bom videojogo, mas está bastante distante de ser um excelente videojogo, de ser uma obra de recomendação fácil e capaz de perdurar na nossa memória. Dito isto, aqueles que lhe decidirem dedicar um pouco de tempo dificilmente sairão desiludidos com a aventura pitoresca que esta lhes proporcionará.

Em Pikuniku assumimos o controlo de uma estranha criatura, com longas pernas, sem braços e com uma fusão do tronco e crânio – não é tão monstruosa como esta descrição deixa a entender -, que é acordada do seu sono profundo numa caverna no interior de uma montanha por uma entidade omnisciente e que dá por si numa ilha onde um alegre empresário oferece dinheiro grátis enquanto os seus robôs vão recolhendo recursos das áreas às quais vai "atirando" moedas.

Apesar do colorido e da aparente alegria que caracterizam os ambientes que exploramos, não demora muito até que comecemos a desconfiar das verdadeiras intenções deste multimilionário que tornou o dinheiro tão abundante que este rapidamente perdeu o seu valor e importância. Na verdade, o empresário está a proceder a uma exploração descontrolada dos recursos da ilha, começando a ameaçar as suas populações e cabe à nossa intrépida criatura, com ajuda de alguns aliados revolucionários, travar os robôs e colocar um ponto final nestes planos destrutivos.

Na sua essência, Pikuniku é uma aventura de puzzles e plataformas que tem no seu sentido de humor uma das suas principais características. Sem medo de enveredar pelo ridículo e caricato, o título da Sectordub tenta – e consegue – colocar um sorriso na cara do jogador à medida que o seu peculiar protagonista vai progredindo e interagindo com o mundo em redor e os seus habitantes. Pode não ser suficiente para provocar gargalhadas desgarradas, mas confere-lhe um charme próprio.

Aliada ao grafismo minimalista que se caracteriza pela predominância de formas geométricas e pela utilização de cores fortes e variadas, a jogabilidade de puzzles e plataformas, sempre pobre em qualquer tipo de desafio ou exigente, acaba por ser pautada por um tom tranquilo e relaxante, algo que é acentuado pela própria banda sonora. Embora existam moedas para colecionar e algumas tarefas e segredos secundários para descobrir, a obra nunca complica, o que tem tanto de positivo como de negativo, já que nenhum dos seus puzzles é memorável.

Assim, Pikuniku afirma-se como uma interessante proposta no género em que se insere, mas nada mais que isso. É uma obra que não desiludirá aqueles que a experimentarem, mas que não fará o suficiente para se tornar numa recomendação obrigatória ou numa obra que ficará connosco muito depois a sua conclusão. Pikuniku é um jogo competente e isso é suficiente para proporcionar uma experiência aprazível, ainda que incapaz de deslumbrar por completo.

veredito

Pikuniku é um charmoso, relaxante e bem humorado título de puzzles e plataformas que, embora competente nos seus vários departamentos, não faz o suficiente para deslumbrar.
7 Experiência charmosa e relaxante. Colorido e bem humorado. Desafio inexistente. Nunca se torna memorável.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Pikuniku

para Nintendo Switch, PC

Lançado originalmente:

01 January 2018