por - May 27, 2013

Resident Evil Revelations Análise

Resident Evil: Revelations e eu temos um passado. Foi com o jogo da Capcom que comprei o acessório com o segundo analógico para a Nintendo 3DS e o jogo demorou bastante a sair da portátil da Nintendo. Agora, praticamente um ano e meio depois, Revelations chega a plataformas mais potentes, nomeadamente o PC, PlayStation 3 e Xbox 360. Tivemos oportunidade de regressar ao navio Queen Zenobia e testemunhar as diferenças. Continuem a ler para ficarem a saber se Revelations vale o vosso investimento capital.

A ação do jogo decorre em 2005 e cobre os eventos de Resident Evil 4 e Resident Evil 5, ou seja, mostra a colaboração dos esforços de Chris Redfield e Jill Valentine na investigação do navio Queen Zenobia, uma possível base para uma organização terrorista, apesar de estarem em lugares antagónicos.

Tal como já aconteceu com várias entradas na série Resident Evil, a narrativa é espalhafatosa e não faz grande esforço em fazer grande sentido. Tal como acontece num livro mau, depois de virarem a página, o texto deixa-vos a pensar se passaram algumas folhas à frente. As conspirações políticas são completamente despegadas da realidade e o equivalente a uma piada aos artigos do site Politico.com. Contudo, não é nada propriamente novo nos jogos Resident Evil, portanto, se são fãs da série, dificilmente serão apanhados desprevenidos.

É natural e compreensível que sejam feitas comparações entre as duas versões do jogo, esperando que a Capcom tenha limado alguns dos problemas enumerados pelos jogadores. Seria de esperar que neste ano e meio que separa as duas versões tivesse servido para isso, contudo, na prática, alguns dos pontos menos conseguidos continuam a atezanar a paciência de quem se aventura no jogo. Como o propósito nunca foi remexer os pilares que compõe a estrutura do jogo, Revelations continua a demorar o seu tempo a variar o conteúdo, nomeadamente os inimigos que dão o colorido à vossa estadia.

Outro dos problemas do jogo que permanece nas versões em Alta Definição é a incongruência da Inteligência Artificial dos inimigos. Não que eles sejam totalmente absortos ao que os rodeia, mas sim a sua falta de coerência. Tão depressa ficam presos à espera de serem crivados pelas vossas balas ou têm ataques de sabedoria, fazendo corar um militar treinado. Este oscilar proporciona alguns momentos de frustração, já que nunca sabemos muito bem o que temos pela frente.

Na sua essência, Revelations transporta para estas versões o seu conteúdo por episódios, o que facilita o acompanhando da trama e, sobretudo, espevita a vossa memória depois de alguns dias sem pegar no comando. Isto prova que o que funcionava bem na versão 3DS continua a funcionar bastante bem agora. Isso estende-se à jogabilidade. Tal como disse no início da análise, a versão original do jogo tinha a possibilidade de ser jogado com um segundo analógico na portátil da Nintendo. Agora, com comandos que incluem dois analógicos, a jogabilidade continua bastante apurada.

É certo que existem algumas secções do jogo em que a precisão sofre com a adaptação para os comandos mais tradicionais, mas nada que tenha um impacto demasiado negativo na jogabilidade como um todo. O truque para que Revelations funcione é não deixarmos a sua tensão corromper a estabilidade do dedo no gatilho. A Capcom sabe disso e não mexeu nos segmentos mais icónicos do jogo.

Uma das grandes questões sobre esta adaptação era como é que o grafismo se ia comportar na passagem de um ecrã pequeno para televisões e monitores dez vezes maiores. Cedo percebemos o que resulta e o que sai penalizado. Os cenários não causam o mesmo impacto da versão original, perdendo um pouco do glamour. Porém, as texturas parecem ter sido os materiais que mais atenção recebeu da produtora. Tanto as personagens como os inimigos saltam à vista na sua maioria. Digo isto porque, sobretudo no início do jogo, existem alguns encontros frente-a-frente que nos deixam de pé atrás para o resto do jogo, contudo, felizmente para os devotos da série, esse aviso acaba por revelar-se sem fundamento.

Aliás, a parte do jogo que decorre a bordo do Queen Zenobia é, indiscutivelmente, uma secção com um dos melhores ambientes vistos na série. Existe algo na claustrofobia e na maneira como o cenário oscila ao sabor da maré que nos fez apaixonar por este cenário de jogo na versão 3DS e que voltou a reacender a paixão com o jogo a rodar na Xbox 360, a plataforma onde analisámos o jogo.

Antes de fecharmos o capítulo técnico, impera mencionar as ocasionais quebras na framerate, sobretudo nas áreas em que temos uma horda de inimigos à nossa frente. A sonoplastia ajuda bastante à atmosfera do jogo, provando que o terror e a tensão não está apenas naquilo que vemos à nossa frente. Aliás, em muito está no que não vemos e na maneira como somos guiados de ouvidos bem abertos, num percurso em antecipação crescente.

Uma das surpresas do jogo aconteceu antes de o iniciarmos. No meu é possível escolher as vozes em japonês e, ainda mais interessante, é possível escolher a legendagem em português do Brasil e em português de Portugal. Falando sobre esta última opção, a equipa que a trabalhou está de parabéns. O resultado que nos foi dado a jogar está muito bem conseguido, não traduzindo à letra algumas das expressões inglesas, o que resulta numa tradução que parece natural.

Resident Evil: Revelations é uma adaptação que não modifica muito as raízes da versão original do jogo pensada para a Nintendo 3DS em exclusivo. É verdade que a maior parte dos problemas originais continuam presentes, porém, também estão presentes os pontos fortes do jogo portátil, o que resulta num bom jogo para o PC, PlayStation 3 e Xbox 360. Uma das principais surpresas é a opção de jogarmos com as vozes em japonês e ainda mais interessante para o nosso mercado local, é a legendagem muito bem conseguida em português. Revelations já está à venda em Portugal e pode ser adquirido por 49,99€ nas versões PlayStation 3 e Xbox 360 ou 29,99€ se optarem pela versão PC.

veredito

Após um ano e meio do seu lançamento exclusivo na Nintendo 3DS, Resident Evil: Revelations chega às consolas caseiras e ao PC com a maior parte dos seus problemas e das suas virtudes inalterados.
8 Excelente atmosfera Legendagem em português Inteligência artificial incoerente História alucinada

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Resident Evil Revelations

para Nintendo 3DS, Nintendo Switch, PC, PlayStation 3, PlayStation 4, Wii U, Xbox 360, Xbox One

Jill Valentine is sent aboard a ghost ship cruising through the Mediterranean…

Lançado originalmente:

24 May 2013