Shin Megami Tensei é sinónimo de combate e gestão de demónios, com mecânicas imaculadas únicas no género RPG com batalhas por turnos. A cada nova obra lançada sabemos que nos será entregue uma narrativa que justificará a aparição ou existência dos seres demoníacos, com um papel central e transversal aos vários aspetos do jogo. Shin Megami Tensei IV chegou finalmente à eShop da Nintendo 3DS europeia, após estar mais de um ano disponível no mercado norte-americano.

Começo pelo mais importante: as mecânicas de jogabilidade. Shin Megami Tensei IV incorpora alguns detalhes muito interessantes, nomeadamente, a Inteligência Artificial Burroughs que vos acompanhará durante todo o jogo. É através desta identidade feminina, ligada à vossa manopla - semelhante ao Pip-Boy de Fallout 3 -, que irão aceder aos menus e efetuar todas as ações necessárias pelas masmorras à medida que a vão evoluindo com o acumular de vitórias no campo de batalha.

Burroughs ensina-vos tudo, se assim o necessitarem. Provem o vosso valor a combater demónios e serão recompensados com escolhas para melhorarem a vossa experiência de jogo; como espaço para inserir novas magias, maior facilidade para recrutarem demónios para lutarem pela vossa causa, ou até redutores de consumo para as vossas investidas contra os demónios.

E também é através da IA que terão a possibilidade de fundir dois ou mais demónios para obterem outros novos e mais poderosos. Por isso é crucial conseguirem apanhar, ou convencer, as criaturas para ter um grupo fortíssimo nas batalhas. No entanto, apesar da ideia ser inteligente e dar alento a esta prática, é muito complicado conseguirem os demónios sempre que quiserem, dado à sua natureza aleatória.

O processo em si pede-nos para negociar com o demónio selecionado para uma conversa, em que temos de responder bem às questões que nos são colocadas. Mas aqui, responder bem é muito subjetivo, e altera de demónio para demónio. A chave é usar bem a opção de salvamento/carregamento até obterem o resultado desejado. Caso não falem nos modos que a criatura pretende, podem fazer com que essa fuja, por vezes, depois de lhe terem dado itens e dinheiro -, ou vos aplique um golpe poderoso que aniquile o vosso grupo por inteiro.

As batalhas, como é tradição, são o charme da série Shin Megami Tensei. Façam uma boa gestão das vossas habilidades e magias, conforme as fraquezas e pontos fortes que possui cada peça do campo de batalha, para que vos sejam concedidos a vez antecipadamente para desferir um novo ataque. Acreditem, em Shin Megami Tensei o mais pequeno proveito que possam fazer fazer de cada situação é a diferença entre vencer e visitar Charon - o homem responsável pelas almas que passem pelo rio Stix após terem falecido.

E é este um dos problemas de Shin Megami Tensei: ser extremamente duro com o jogador à mínima falha que ocorra. O que reverte os jogadores a terem que fazerem inúmeras batalhas antes de terem a certeza que todos os elementos da sua party atingiram o nível pretendido para derrotarem o boss que vos bloqueia o caminho e, consequentemente, a vossa progressão na história. Terão que fazer grinding vezes sem conta, pressionando assim o botão pausa da narrativa.

Mesmo que não goste da história que a Atlus tem para me oferecer, sei que por si só todas as mecânicas e sistemas de jogabilidade implementados nos combates por turnos são suficientemente motivadores para regressar a Shin Megami Tensei IV. Devo dizer que um argumento bem escrito tem que incluir personagens interessantes de caráter forte, principalmente, quando a personagem principal, Flynn, é praticamente mudo. Todavia, isto não pareceu ser uma prioridade da produtora, que preferiu colocar um trio de amigos que nos acompanham na nossa aventura a responderem e reagirem mecanicamente assente em três sentimentos: agressividade, disciplina e neutralidade.

A história tem uma dose de mistério q.b., apesar de arrancar aos solavancos. Vocês e o vosso grupo são jovens destemidos à procura de fazer prevalecer o vosso destino, de serem samurais protetores do reino, mesmo quando acontecimentos terríveis vos fazem questionar quem rege as classes mais altas da sociedade a quem juraram proteção.

Este título mesmo sendo uma clara história que se desenvolve nos moldes de uma visual novel, abraça as suas origens ao entregar-nos desenhos que saíram das páginas de uma banda desenhada japonesa. Sim os diálogos processam-se com imagens estáticas das expressões das personagens, mas inegável a qualidade e, sobretudo, a criatividade dos demónios. Uns cómicos e ridículos, porém outros são macabros e aterrorizadores da forma como foram desenhados. Nem quero imaginar qual foi o processo de inspiração para chegar a algumas daquelas representações.

Já no capítulo do som, este quarto Shin Megami Tensei não desilude. E mais uma vez o auge sonoro é aplicado nas batalhas, dando uma sensação de tensão e adrenalina. Também é de destacar que o jogo está totalmente localizado em inglês, sem a opção em japonês. É sempre uma opção pessoal, mas poder trocar para o áudio original dá sempre uma camada mais autêntica ao jogo, principalmente quando se trata de uma produtora que faz os seus jogos para o público japonês, e não produtos sujeitos à globalização.

Shin Megami Tensei IV é um título RPG com combates por turnos muito bom, mas não é algo que é recomendado a todos devido aos seus picos instáveis de dificuldade. E, por muito que a consola seja limitada, muitos jogadores não vão gostar do estilo visual de animações estáticas - mesmo que tenha coerência por toda a obra. Se são fãs de títulos RPG vindos do oriente, acho que esta é uma muito boa escolha para terem no vosso catálogo. Infelizmente, se andam a colecionar os títulos da série para jogar e colocar na estante para mais tarde recordar, com este título não será possível fazê-lo.