Caminhando a passos largos para a sua conclusão, Tales from the Borderlands volta a corresponder às elevadas expectativas dos jogadores, entregando uma das suas melhores peças de entretenimento desde o sucesso estrondoso conseguido com a temporada de estreia da sua aventura no universo The Walking Dead. Emoção, tensão, humor e muita estupidez são os elementos que transformam o mais recente capítulo numa experiência altamente recomendável.

Tal como já havia acontecido no episódio anterior, Escape Plan Bravo, quarta entrada da série inspirada no universo criado pela Gearbox Software, volta a servir-se de uma cinemática inicial com estilo visual aproximado ao de uma banda desenhada para relembrar os jogadores dos eventos principais do capítulo antecessor. Já o tinha mencionado na análise de Catch a Ride, mas é importante voltar a salientar a importância desta adição aos títulos episódicos para mitigar os efeitos do longo período entre episódios possa ter na memória dos jogadores.

Apesar da qualidade inegável das restantes séries da Telltale Games, Tales from the Borderlands tem conseguido diferenciar-se e sobressair em relação a tudo resto graças a introdução de um elemento que é utilizado de forma diminuta nas suas outras propriedades. Como é óbvio, refiro-me à componente humorística desta série que tem suportado toda a aventura de Rhys e Fiona e que no penúltimo capítulo da temporada atinge níveis de eficácia bastante superiores ao que nos tinha sido apresentado até ao momento.

O universo Borderlands sempre fez do humor uma das suas armas narrativas mais eficientes e esta série episódica não tem fugido em momento algum a esse legado, conseguindo adicionar a qualidade da escrita e produção de personagem interessantes com diversas camadas de profundidade pela qual a produtora em questão é mais conhecida. No fundo, estamos perante o melhor de dois mundos, ou seja, um universo rico e uma equipa capaz de explorar e capitalizar essa riqueza em algo verdadeiramente memorável.

Isto traduz-se em inúmeros momentos hilariantes que serão capazes de arrancar um sorriso até aos jogadores mais carrancudos, seja brincando com os vários clichés dos filmes de assaltos de Hollywood e as habituais montagens com o planeamento dos mesmos e ainda realizando homenagem a uma das cenas mais conhecidas do filme Armageddon. Em Escape Plan Bravo, o humor é sempre entregue com sucesso e nunca provoca uma sensação de ser forçado.

Ao contrário de episódios anteriores, as sequências de ação são bastante mais escassas neste capítulo, algo que poderá deixar alguns jogadores desapontados, uma vez que têm sido uma presença assídua nesta série. Ainda assim, a nova entrada de Tales from the Borderlands conta nas suas fileiras com uma das sequências de ação mais estranhas que alguma vez jogarão. Uma sequência que tem tanto de estranha e idiota como de inacreditável, não pela sua longa duração, mas pelo quão divertida foi de experienciar. Uma jogada arriscada por parte da produtora, mas que acaba por traduzir-se num dos momentos mais memoráveis da série.

Mas não é só de piadas e absurdo que é composta a experiência oferecida por este capítulo, Escape Plan Bravo aplica também os habituais socos emocionais que a produtora tanto gosta de utilizar em The Walking Dead. Para além disso, este episódio serve-se também da narrativa com duplo protagonista para nos voltar a oferecer duas perspetivas distintas sobre os mesmos eventos.

Como é habitual em qualquer produto com a marca da Telltale, a qualidade da escrita e o talento de vozes voltam a assumir papeis de enorme destaque e apresentam-se como elementos imprescindíveis para que todos os elementos da obra se conjuguem na perfeição. Num plano mais negativo, os problemas técnicos continuam a marcar presença, sendo que desta vez são na forma de texturas que aparecem do nada quando há mudança de câmara numa cena de diálogo e também de falhas no audio.

Por tudo isto, Tales from the Borderlands: Escape Plan Bravo é um episódio de excelente qualidade e o melhor que a série nos ofereceu até ao momento, ficando mesmo na memória como uma das melhores obras que a produtora já disponibilizou no mercado. As poucas sequências de ação podem ser um problema para alguns, mas o humor e a qualidade da escrita ofuscam facilmente essa questão. Tendo em conta o final deste capítulo, tudo indica que teremos um final épico com o quinto episódio para concluir esta excelente série.