Sem o protagonismo que goza a série Street Fighter da Capcom, The King of Fighters tem conseguido preservar uma fiel legião de fãs e seguidores que têm acompanhado a série desde os seus primórdios, ou seja, desde 1994, ano em que The King of Fighters '94, a primeira entrada da saga da SNK, chegou às arcadas nipónicas. No panorama ocidental, a série está longe de ter a popularidade que outra obras de combate possuem, ainda assim, o lançamento do seu décimo quarto (!) capítulo numerado parece indiciar que existe um interesse suficiente para que o seu lançamento nas Américas e Europa seja um investimento financeiro viável.

The king of fighters

Apesar do ano de 2016 já ter visto o lançamento de novas entradas de séries como Guilty Gear, Naruto Shippuden e Street Fighter, o aproximar da chegada ao mercado de The King of Fighters XIV gerou algum entusiasmo e expectativa dentro da comunidade de jogadores mais afetos a este género de experiências. Agora que o título já se encontra disponível nas lojas e que já tivemos oportunidade de passar várias horas na sua companhia, percebe-se que estamos perante uma obra com várias valências, mas também com problemas demasiado gritantes para se definir como a experiência de eleição do género.

Comparativamente às obras mencionadas no parágrafo anterior, The King of Fighters XIV tem a seu favor o facto de ser muito possivelmente o título mais completo de todas. Se tanto Guilty Gear Xrd Revelator, como Street Fighter V deixaram bastante a desejar no que diz respeito à quantidade de conteúdo que oferecem para aqueles que não pretendem investir horas sem fim na componente online, a obra da SNK inclui no disco tudo aquilo que se pode esperar de uma experiência que pretende manter os jogadores interessados durante longos períodos sem que se torne monótona ou repetitiva.

The king of fighters xiv

Para isso contribui de forma decisiva o vasto plantel de lutadores que o jogo coloca a nossa disposição. Entre estreias, regressos das personagens mais populares da série e os bosses introduzidos no modo história, existem 50 personagens jogáveis disponíveis para testar e tentar dominar. É certo que, se não tiverem qualquer familiaridade com as mesmas, o número elevado de lutadores pode ser algo assustador e dificultar o período de aprendizagem e descoberta do grupo de personagens que encaixam melhor no vosso estilo de combate, contudo, a oferta de escolha nunca pode ser considerada um aspeto negativo, sendo igualmente um método para obrigar o jogador a dedicar ao título um número de horas adequado.

Como não poderia deixar de ser, The King of Fighters XIV oferece um modo de treino para poderem aprender os diversos ataques e combinações de cada lutador, sendo que depois desta aprendizagem terão de partir para um dos vários modos de jogo offline para testarem a sua viabilidade durante as batalhas. Versus, onde podem jogar contra a inteligência artificial ou contra amigos em multijogador local, Time Attack e Survival são os melhores métodos para aplicarem todo o vosso recém-adquirido conhecimento sobre os lutadores em prática e começarem a aquecer para a inevitável transição para a componente online.

The king of fighters xiv

Para além dos modos referidos, existe ainda o Modo História. Embora o nome seja claramente enganador, uma vez que a história oferecida pelo título é praticamente inexistente e não faz qualquer tipo de sentido, esta será provavelmente a secção da obra onde depositarão mais horas, isto porque o Modo História corresponde ao habitual Modo Arcada que existe em praticamente todas as experiências de combate, envolvendo uma sequência de batalhas até chegarem ao boss final que, como tantas vezes acontece nestes títulos, tem tanto de difícil, como de frustrante devido ao seu uso e abuso de projéteis difíceis de contra-atacar e de bloquear.

Contudo, onde a série The King of Fighters se diferencia das restantes é no facto dos seus combates, excetuando raras ocasiões, envolverem sempre equipas compostas por três lutadores. É precisamente aqui que o título se torna mais interessante e, por consequência, mais complexo. Ao contrário de outras obras do género, dominar por completo a panóplia de movimentos de um lutador está longe de ser suficiente para vos garantir a vitória, sendo absolutamente essencial construir uma equipa de três lutadores equilibrados e diversificados com os quais se sintam confortáveis para fazer frente aos problemas provocados pelos adversários.

The king of fighters xiv

Definir os três lutadores com que vão entrar em combate e a ordem pela qual o farão confere ao título uma componente mais estratégica que não encontram noutras obras de pancadaria. Infelizmente, esta componente serve igualmente para tornar a experiência de The King of Fighters XIV ainda mais exigente para jogadores casuais que apenas estejam interessados em desfrutar do título sem grandes preocupações. Este não é, de forma alguma, um jogo do qual possam retirar grande diversão sem depositarem um número considerável de horas a aprender os seus lutadores e a descobrir a equipa que se adapta melhor às vossas necessidades e que vos dá mais garantias.

Para além disso, fica rapidamente evidente que o título não dá grandes hipóteses aos que se limitarem a premir botões de forma desenfreada e sem recorrer às combinações mais poderosas e ataques especiais. Mesmo com um tutorial competente e expansivo, percebe-se que é necessário um grau considerável de competência e experiência com obras do género para que consigam aplicar aqueles movimentos visualmente espetaculares e completamente devastadores para o adversário que podem virar por completo o rumo de um combate. No fundo estamos perante uma obra de qualidade, mas que está longe de ser a mais acessível.

The king of fighters xiv

No entanto, como nos dias de hoje nenhum título de combate sobrevive sem uma sólida componente online, a obra da SNK falha por completo em entregar uma experiência passível de ser jogada com outros jogadores. Não só é difícil encontrar jogadores com os quais realizar partidas que não contem para o ranking, como é ainda mais difícil participar num combate online que não seja fortemente afetada por conexões muito fracas aos servidores. Apesar da diversidade de combates em que podem participar, a dificuldade em encontrar uma partida capaz de proporcionar uma experiência de qualidade faz com que, no seu estado atual, seja praticamente impossível investir muito tempo no multijogador online do jogo.

Graficamente, The King of Fighters XIV deixa também bastante a desejar, apresentando uma modelagem de personagens claramente datada e que parece ter saído de um título da fase inicial da geração anterior de consolas. Adicionalmente, embora apresente uma variedade considerável de cenários nos quais decorrem os combates, estes são desprovidos de vida ou de qualquer tipo de característica única que lhes confira uma identidade própria e que torne o festival de pancadaria que preenche o ecrã ainda mais espetacular.

The king of fighters xiv

The King of Fighters XIV tinha tudo para ser uma obra capaz de ganhar uma popularidade adicional e capitalizar nos fracassos dos títulos do género que chegaram recentemente ao mercado. A qualidade está lá e o conteúdo também, contudo, uma componente online completamente desastrosa e o facto de não ser a mais apelativa ou acessível experiência para os jogadores casuais, sem os quais, diga-se, estas obras nunca conseguem encontrar grande sucesso comercial, faz com que o título da SNK não corresponda totalmente às expectativas. Um bom título para fãs do género que não se interessam pela componente multijogador, mas pouco mais que isso.