Em determinados momentos do meu tempo com Cook, Serve, Delicious! 3?!, a sensação predominante foi que o meu cérebro estava dividido a meio. Por um lado, sabia perfeitamente o que tinha para fazer; por outro, a agilidade mental para realizar a tarefa em mãos lutava para chegar lá. É uma luta contra o tempo que motiva em vez de dissuadir com processos frustrantes.

A nova obra da Vertigo Gaming chega hoje, dia 29 de janeiro, ao Steam Early Access. Poderão comprá-lo, mas não esperem então uma obra completa. Aliás, a produtora faz questão de avisar no início de cada sessão que mais atualizações estão a caminho. Ainda assim, o conteúdo a que tive acesso durante os últimos dias mostram um potencial imenso, uma viagem que deverá ser ainda mais memorável quando novo conteúdo for adicionado.

Mas falemos então do conteúdo que está disponível. Estamos em 2042 e os Estados Unidos da América não estão em estado de graça. O nosso restaurante explodiu mesmo antes da aventura gastronómica começar, mas o Chef sobreviveu miraculosamente. Encontrado no meio dos escombros, a carrinha que nos salva passa a ser a carrinha em que vamos viajar pelo território norte-americano graças à bondade de Whisk e Cleaver, duas assistentes robóticas que nos ajudarão pelo caminho.

O grande ciclo da viagem coloca-nos a preparar cada viagem escolhendo os diferentes pratos que estarão disponíveis em cada paragem. Os clientes fazem fila nesses locais, exigindo os seus pedidos atempadamente. Durante as viagens temos que fazer os preparativos para a paragem seguinte, tal como um brigada de chefs faz antes das refeições serem servidas num restaurante. Como podem facilmente imaginar, tudo se torna rapidamente caótico se não tiverem essa preparação bem feita ou se demorarem uns escassos segundos a mais num pedido.

A forma como os pratos são confecionados é apresentada com uma estrutura bastante simples: a colocação dos ingredientes e a forma como são cozinhados são processos associados às teclas do teclado. Contudo, além da rapidez é preciso que o jogador esteja também sempre atento aos ingredientes que o jogo coloca no ecrã, pois apenas a escolha acertada surte os resultados desejados. É fácil compreender que além da estratégia necessária para planear as paragens e até na escolha dos pratos que queremos servir em cada local, há também a exigência do encadear de pensamentos.

As bolachas, uma das receitas mais fáceis, começam por adicionar açúcar à massa no caso desta fornada - o que é necessário é mostrado na parte inferior do ecrã, enquanto os ingredientes aparecem no lado direito. O açúcar é a letra “S” de “Sugar”. Contudo, há também as opções de manteiga de amendoim, chocolate negro, aveia, entre outras. Isto quer dizer que têm sempre que estar atentos, mas também que nos caso das receitas mais complexas, terão que decorar o procedimento se quiserem chegar às medalhas mais recompensadoras.

Tentem fazer um Blancmange, por exemplo, e terão que adicionar farinha de milho, amêndoas, açúcar, natas, leite, e mexer. Há algumas receitas que são confeccionadas durante várias etapas, o que exige ainda mais concentração. E o tempo que têm para se preparar está também contado, pois são visíveis os quilómetros que faltam para chegarmos ao próximo local.

A progressão está dividida por rotas que vão desbloqueando. Os pratos têm um número associado que quanto maior for, mais difícil é a sua execução, mas maior é a recompensa em dinheiro e em experiência. Algumas das paragens precisam que os pratos no menu cheguem a um determinado número de pontos. Se for um uma paragem de “cinco pontos”, podem ter vários pratos com um zero, um de um ponto, e depois de dois pontos, por exemplo. A combinação é feita pelo jogador, mas o pratos precisam de ser desbloqueados com o dinheiro que vão acumulando. Isto controla minimamente a progressão e incita a que se esmerem ou que acabem por repetir níveis já concluídos para tentarem uma melhor pontuação.

Um Latte Gelado é aqui um prato de cinco pontos. Começam por tirar um café espresso. Um pequeno indicador mostra quando chega o momento da segunda fase de confecção. Agora terão que adicionar baunilha, gelo, soja, mais um espresso, um topping, e colocar uma tampa. São seis teclas que têm que pressionar, enquanto vão equilibrando a confeção de outros pratos, obviamente. E os ingredientes estão divididos por secções: baunilha pertence à secção azul; gelo, soja e o segundo espresso à secção fúcsia, o topping e a tampa são os toques finais na secção verde. Trocar de seção faz-se com a tecla espaço. Compreender apenas uma receita entre muitas outras é compreender a tal separação do cérebro entre saber o que temos que fazer e coordenar os procedimentos.

Cook, Serve, Delicious! 3?! está ciente deste processo, deixando que pratiquem a confeção dos pratos - o que indubitavelmente ajuda a memorizar os procedimentos ou pelo menos a estarem familiarizados com o que terão pela frente. É um desafio, sim, mas a Vertigo coloca também um modo “Chill”, onde podemos demorar mais tempo graças a uma dose extra na paciência dos clientes, mas continuamos a não poder cometer erros. Neste modo, porém, não podem ganhar medalhas de ouro.

Outros pontos que prometem marcar o terceiro capítulo da série é o multijogador local e a possibilidade de melhorarmos a carrinha onde nos deslocamos. Podermos adicionar estações de preparação adicionais, adicionar lâmpadas que preservam a comida por mais tempo, adicionar estações de conservação, entre outras melhorias. Assim, o jogador poderá também preparar mais comida antes de chegar a cada local, por exemplo.

Sobre o lado técnico vale a pena mencionar sobretudo que o destaque é o aspecto de cada prato. Enquanto estamos a fazer a sua confecção, é impossível não reparar não apenas nos detalhes, mas como a sua conjugação edifica criações que fará qualquer jogador salivar. Sente-se claramente o amor culinário dos criadores, mas esta situação é uma boa notícia, pois estamos perante uma obra onde a comida é o verdadeiro protagonista e o chef que interpretamos apenas a transforma.

Como em qualquer obra disponível em Early Access, o verdadeiro valor de Cook, Serve, Delicious! 3?! só poderá ser avaliado acompanhando o percurso da obra até à sua versão final. Todavia, as impressões que esta versão deixa são francamente positivas. Quando estamos atarefados a tentar desenfreadamente acompanhar a preparação do prato, a obra tem a nossa atenção toda. E consegue-o vezes e vezes sem conta.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!