Marco Gomes por - Jan 14, 2017

Luzeiro do Escondidinho – Episódio 82

Como o que por aí não faltam são moinhos de vento contra arremeter, escarafuncha o Luzeiro em mais um subgénero negligenciado pelos holofotes, o da tática baseada em cartas colecionáveis.

Facto que não o priva de ostentar boas cores, como o recente episódio paralelo do Luzeiro comprovou ao conceder menções honrosas nos Maiorais 2016 a Duelyst e Hex: Shards of Fate. Quem sabe entre o octeto hoje convocado não há quem lhe faça o render da guarda?

Uma pequena e útil informação antes de avançarmos. Como já aqui fora explicado, com a introdução do novo sítio VideoGamer Portugal necessidade houve no Luzeiro de adaptação à visualização exclusiva em cascata, reduzindo corpo de texto e com ele supressão de, pelo menos, metade do conteúdo multimédia, mitigando-se agora o facto com o acrescento à ficha técnica de uma ligação ao vídeo correspondente através da identificação “V/”.

O dia em que a música morreu, com ela também fui eu.

Luzeiro 82

Card Thief (TiNYTOUCHTALES, Alemanha) 

Mercado Móvel (Android, iOS) – Previsão de lançamento não divulgada

A esta reunião não podia faltar o criador de Card Crawl (2015) e Enyo (2016), Arnold Rauers, a ele se juntando a dupla colaborativa do primeiro, Thomas Wellmann (arte) e Oliver Salkic (desenho de som), visto encontrar-se a equipa a trabalhar em dois títulos de cartas inusuais face à restante oferta no mercado.

Ficando a abordagem a Miracle Merchant para calendas outras devido a rarefação informativa, centremo-nos na proposta Card Thief enquanto título tático de ação furtiva para estrutura de jogo em solitário. Situado numa versão descomprometida da época medieval, passa o objetivo de cada interveniente rapinar o cofre contido num castelo e regressar sem levantar suspeitas ao esconderijo. As riquezas progressivamente acumuladas permitirão desbloquear cartas inéditas de equipamento e aceder ao baralho de outros castelos, ajudas que nunca serão curtas perante densidade estratégica vertida em pormenores como aumento de valia do cofre consoante o número de turnos até o capturar ou mudança de propriedades das cartas atendendo à luminosidade proporcionada por outras adjacentes.

Luzeiro 82

GalaCollider (NeoCrux Ltd., Estados Unidos da América) 

PC (Windows, OS X, Linux) – Data a confirmar, 2017

O estúdio liderado por Sebastian Chedal é o primeiro de vários presentes no alinhamento a demonstrar que a evolução natural da tática por cartas colecionáveis se fará na fusão com géneros e subgéneros adjacentes, no caso de GalaCollider, cruzando-a com a ramificação estratégica 4X (de eXplore, eXpand, eXploit e eXterminate).

Transportando os jogadores para um futuro a léguas onde a existência da Terra não passa de esbatida memória, deverão aqueles, de situação inicial em que espartanos meios se cingem ao mundo de origem e duas naves colonizadoras, explorar novos sectores, desbaratar recursos e expandir poderio à classificação de império. Mas claro, esse trabalho de sapa serve de suporte para um fim outro, desfeitear o oponente, algo que chega em três condições, conquista de seu mundo de origem, todos os sectores por si controlados ou amealho dos necessários pontos de vitória.

Luzeiro 82

Hand of Fate 2 (Defiant Development, Austrália) 

PC (Windows, OS X, Linux) – Primeiro trimestre, 2017

O coletivo australiano tendo como figuras centrais Morgan Jaffit (direção criativa), Dan Treble (direção técnica), Shawn Eustace (direção artística) e James Scott (programador principal), autores dos títulos móveis Rocket Bunnies (2011),  Ski Safari (2012) e Heroes Call (2012), regressa para a sequela da rendinha que verdadeiramente os colocou no mapa, Hand of Fate (2015).

A vingança do vilão daquela monta o palco para que o cozinhado de tática por cartas colecionáveis, combate na terceira pessoa e minijogos de risco e recompensa adquiram inauditos patamares de transcendência quando o Jogo de Vida ou Morte não se cinge agora apenas a seres individuais, mas, a imponentes impérios. Entre as novidades da segunda entrega destacam-se o avantajado mapa, ampliação dos estilos a adotar, incluindo armamento duplo ou pesado com recurso a duas mãos, e possibilidade de a nossa companhia juntar elementos de suporte.

Luzeiro 82

Labyrinth (Free Range Games, Estados Unidos da América) 

PC (Windows) – Data a confirmar, 2017

Disponível em acesso antecipado desde março de 2016 é Labyrinth empreitada dos criadores da série SummitX e outra dezena de propostas maioritariamente para mercado móvel, o estúdio encabeçado por Chris Scholz e Bradley Fulton, mas, adjudicada igualmente no apoio técnico e aconselhamento do Stone Blade Entertainment e trabalho de arte (bidimensional/tridimensional) aos Massive Black e Supergenius.

Cruzando cartas colecionáveis com a ramada mais ou menos tradicional do Role Playing Game tático através de confronto direto jogador contra jogador (PvP), reveste-se a missão destes de dupla fase, invadir masmorras rivais através de baralho ofensivo guarnecido por heróis, e, com as conquistas resultantes da tentativa, apetrechar o domínio individual em naipe defensivo composto por miniões, armadilhas e chefes finais de forma a impedir o saque de riquezas entretanto arrebanhadas. Entre as inúmeras particularidades da obra evidencia-se a modelação do estilo de jogo a adotar consoante o arauto definido para cada tipo de baralho, até porque, implica por defeito seleção imediata de uma das quatro disciplinas de magia em vigor, Escaramuça, Feitiçaria, Crença e, sem tradução direta, Skulduggery. 

Luzeiro 82

Acaratus (Nodbrim Interactive, Suécia) V/

PC (Windows) – Data a confirmar, 2017

Encontra-se o exercício de estreia do trio Martin Kupski (arte), Kristoffer Lindström (programação, desenho de jogo) e Daniel Johansson (programação, desenho de jogo) disponível em acesso antecipado desde fevereiro de 2016, altura em que aos jogadores descerrou um curioso universo cruzando imaginário medieval com steampunk por intermédio de Role Playing Game tático com recurso a cartas colecionáveis para definir o estilo de jogo. As secções randomizadas do vasto mapa separando as intenções de Adina e seu grupo de rebeldes do derrube do tirano imperador Helios afrontar-se-ão com amparo de escafandros marciais delineados em vasta gama de módulos.

Luzeiro 82

Allians (Claimony, Suécia) V/

PC (Windows, OS X), Plataformas Móveis (Android, iOS) – Previsão de lançamento não divulgada

Falhados objetivos mínimos na campanha de angariação de fundos através do Kickstarter, encontra-se o coletivo liderado por Björn Torstensson a repensar o modelo de negócio aplicado a Allians, mantendo-se, aparentemente, elevado o compromisso para com a obra apresentando original premissa dentro do segmento tático por cartas colecionáveis, suas representações faciais remetem diretamente para a comunidade sendo cada ilustração, no lato sentido do termo, e parâmetros definidos pela imagem e desempenho de cada jogador.

Luzeiro 82

God Caster (Maxmuses, Vietname) V/

PC (Windows, OS X, Linux), Plataformas Móveis (Android, iOS) – Data a confirmar, 2017

A estreia do coletivo vietnamita Maxmuses faz-se de desbragada abordagem à tática em cartas colecionáveis caindo, literalmente, do céu no início da ronda o recurso para invocar suplementos de baralho, supressão de turnos após período preparatório de trinta segundos e exclusividade de ação em tempo real. Heterodoxias outras da obra residem na inspiração mitológica de culturas várias do globo para as representações faciais das cartas ou possibilidade de lhes ampliar poderes através de evoluções e fusões.

Luzeiro 82

VEmpire – The Kings of Darkness (VEmpire Entertainment, Áustria) V/

PC (Windows, OS X, Linux), Plataformas Móveis (Android, iOS), Wii U – Data a confirmar, 2017

Num segmento de mercado cada vez mais concorrido desunham-se os criadores por aportar diferenciação para com propostas rivais. No caso de VEmpire – The Kings of Darkness, incutiu-lhe Wolfgang Lueger incomum enquadramento paranormal fantástico expresso em quatro classes cronologicamente divididas, arrepanhando o imaginário popular de 1237 a 1914. O outro significativo elemento de distinção prende-se com a condição de vitória, surgida na acumulação de cinquenta pontos de império, algo que o oponente terá hipótese de rebater nas três seguintes rondas.

Luzeiro 82

No segredo dos deuses fica o conteúdo a abordar na semana próxima, esperando que a introdução do episódio correspondente em pratos limpos tudo coloque. Até lá, bons jogos.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments