Marco Gomes por - Apr 1, 2017

Luzeiro do Escondidinho – Episódio 93

Mesmo com três episódios de permeio tendo outra orientação, desengane-se quem pensa estarmos plenamente conversados sobre o departamento de ação.

Como no lote de defeitos não lhes cabe a esquisitice, munidos de toda a espécie de objetos cortantes, da menina dos olhos do mais renomado ferreiro à garrafa de vodka quebrada, tudo serve aos nossos convidados para causar estrilho pondo ao léu vísceras de outrém, afinal de contas, a imagem de marca dos hack ‘n slash.

Tal qual no país colmeia, brandir ferrões mais respeitinho granjeia.

Luzeiro 93

Lost Soul Aside (UltiZero Games, China) 

PlayStation 4 – Data a confirmar, 2018

Alvoroço grande despertou em julho passado o primeiro vislumbre de Lost Soul Aside, mais concretamente, estupefação por os valores de produção e mestria técnica contidos no vídeo de apresentação não se inscreverem no labor de um grande estúdio, mas sim, de uma só alminha, Bing Yang.

Tiro e queda, muito não tardando para a divisão de entretenimento interativo da Sony juntar a obra ao China Hero Project, antecipando-o como exclusivo temporário PlayStation 4. Com os meios fornecidos pelo reajustamento da empreitada à nova realidade deixou o criador condição de lobo solitário na concretização da estória de Kazer e Ventas, dupla de protagonistas/antagonistas que a golpes de espadas fará justiça neste cruzamento de, descrição autoral, Final Fantasy com Ninja Gaiden.

Luzeiro 93

Mordhau (Triternion, Eslovénia) 

PC (Windows) – março, 2018

À semelhança de outros companheiros de episódio, não se caracteriza o título liderado por Marko Grgurovič como hack ‘n slash puro, espécie rara no mercado, mas antes como título multijogador de combate medieval até sessenta e quatro participantes onde, justificado pelo enquadramento histórico, a simulação de espadeirada é quem mais ordena.

Oferecendo situações de época como cerco a castelos envolvendo catapultas, invasões por escadote, ataque a cavalo com lança ou recurso ao longo alcance em arco ou besta, recai nas mecânicas de jogo que suportam a utilização de arsenal de curto alcance a jóia da coroa através do realismo permitido por tecnologia de colisão em tempo real e cerca de duzentos e quarenta possíveis ângulos de ataque.

Luzeiro 93

Redeemer (Sobaka Studio, Rússia) 

PC (Windows) – Primavera, 2017

Depois de trabalhinhos nada dignificantes a soldo de poderosa corporação ligada à indústria de armamento, fugiu Vasily da sentença de morte por aquela decretada refugiando-se num mosteiro nas profundezas de uma montanha. Com o paradeiro descoberto após vinte anos, oferecer-se-á o cerco ao protagonista como possibilidade de redenção para com os crimes do passado.

Para o almejar não foi em modas o quinteto russo que forma o estúdio Sobaka, desenhando-lhe percurso de extrema violência em vista aérea onde abastados nunca suficientes parecem os meios para derrear subalternos da organização, seja no trabalhado sistema de combate corpo-a-corpo, recurso a armas brancas, de fogo, ação furtiva, ou mesmo, tirando partido do ambiente circundante para infligir dor.

Luzeiro 93

Riptale (Super God, Finlândia) 

PC (Windows, OS X, Linux) – Primavera, 2017

Provando que, por vezes, basta adicionar especiaria exótica ao Bife com Ovo a Cavalo para ter outro palato, eleva o estúdio de Juha Keränen as plataformas de ação bidimensionais a um novo patamar, desenhado com o sangue dos oponentes que o protagonista decepa em golpes solitários.

Contrariando a perceção de mecânica de combate despoletada no metralhar de botões, o estilo da rubra coreografia que o herói acalentará até dizimar os dragões antigos, e alminhas lhe prestando culto, que o mundo colocam em perigo baseia-se na estratégia e ajustado tempo de ataque com que é feita a gestão das gemas arcanas que suportam o sistema de encadeamento de golpes, podendo aquelas em loja ser adquiridas e alinhadas segundo o impacto que o jogador pretenda.

Luzeiro 93

Fabular: Once Upon a Spacetime (Spiritus Games, Hungria) V/

PC (Windows), PlayStation 4, Xbox One – setembro, 2017

Alguns títulos precisam de ser marretados nos episódios sob pena de em nenhum terem lugar, tal sendo o caso da inusitada mistura do trio Milan Batowski (direção de projeto, desenho de jogo), Peter Meszlenyi (direção artística) e Zed Milner (programação). Respondendo pelo nome Fabular, define-se como role playing game de ação de elementos roguelike, pela aleatória geração de localizações e incessante desenho do mapa de jogo, ambientado num universo retrofuturista cruzando ficção científica com imaginário medievo, o que permite coexistência de canhões de energia, propulsores, maços ou espadas, todavia, como se a amálgama suficiente não fora, conterá centenas de eventos textuais randomizados  tendo por base fábulas como “O Gato das Botas” ou “O Pequeno Polegar”.

Luzeiro 93

GODHOOD (GekidoRising, Canadá) V/

PC (Windows) – Previsão de lançamento não divulgada

Se o próprio criador, Nicholas MacDonald, insiste em qualificar a obra como hack ‘n slash, mesmo, do que se viu, aparentando mais a beat ‘em up, quem somos nós para o contrariar. Seja como for, não deixará GODHOOD de se assumir como rara abordagem à traulitada através de sistema de encadeamento de golpes baseado em mecânicas de jogo rítmico para contar a estória de um jovem escritor, Riff, que subitamente vê uma de suas personagens de ficção ganhar vida para evitar os trágicos acontecimentos previstos na obra.

Luzeiro 93

Paint the Town Red (South East Games, Austrália) V/

PC (Windows, OS X, Linux) – Segundo trimestre, 2017

Levando Matthew Carr (programação) e Shane Carr (arte, desenho de som) o humor e ação na primeira pessoa de Probably Archery (2014) a novo patamar de insanidade, tiveram o cuidado de explicitá-lo na intitulação de Paint the Town Red. Em acesso antecipado desde outubro de 2015, caracteriza-se como experiência sandbox orgulhosamente anárquica cruzando períodos históricos distintos onde o objetivo passa por semear discórdia nas várias localizações despachando as alminhas aí encontradas com recurso a literalmente todos os intermediários presentes no cenário, que não atarraxados ao solo, capazes de infligir contundência.

Luzeiro 93

Phantom Trigger (Bread Team, Ucrânia) V/

PC (Windows) – Data a confirmar, 2017

Contando com o apoio da cada vez mais influente editora tinyBuild Games, regressa o trio criador de Divide By Sheep (2015), Victor Solodilov, Novikov Denis e Irina Lukyanchuk, na companhia de Stan e sua jornada por mundos tão surreais quão retorcidos dando azo à ação desenfreada de um sistema de combate centrado em desbloquear combinações de ataque e potenciar a contundência do arsenal. Os níveis modelados artesanalmente tendo por referência masmorras típicas dos roguelike dar-se-ão ao desenvolvimento de narrativa com diversas ramificações, incluindo variantes de epílogo. 

Luzeiro 93

SkyKeepers (Sword Twin Studios, Canadá) V/

PC (Windows), PlayStation 4, Xbox One – 31 de março, 2017

Se engulhos de última hora não aparecerem, terá a rendinha de Brant Stutheit (direção de projeto, desenho de jogo), Max Hwang (arte), Calvin Xie (programação) e Shad Miller (escrita) chegado ao mercado na passada sexta-feira, trinta e um de março. Seguindo a jornada de Tangui, chefe de aldeia em desesperada tentativa de reconstruir o povoado com ajuda dos materiais dispensados pelos inimigos soçobrados, ofertar-se-lhe-á um sistema de combate hack ‘n slash, sob estrutura de plataformas de ação bidimensionais inspiradas na cultura austronésia, onde essencial será o encadeamento de ataques combinando golpes térreos e aéreos com recurso a teleporte.  

Luzeiro 93

Warcube (Haven Made, Estados Unidos da América) V/

PC (Windows) – Primeiro trimestre, 2018

Disponível em acesso antecipado desde o primeiro mês do ano, pertence Warcube a um coletivo com processos de trabalho raros, se bem que, não inauditos a quem a rubrica acompanha. Cooperando mutuamente, dedica-se cada membro do trio Craig Zacok, Rob Kopp e John Christensen ao seu próprio título, com o destes dois últimos ainda por anunciar. Reduzindo personagens à condição de cubos de comportamento físico realista, caracteriza-se o bordado de arranque do estúdio como título de ação comicamente desbragado onde, entre outras heterodoxias, combinações ofensivas letais se acompanham de câmara lenta e o herói é projetado por catapultas para alcançar sítios interditos.

Luzeiro 93

Veremos na semana próxima o que nos tempos atuais restou da linhagem dos Final Fight e Streets of Rage através da visibilidade conferida ao beat ‘em up. Até lá, bons jogos.

Comentários

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments