A equipa VideoGamer Portugal tem este domingo um trio de recomendações que vão do retrato cru à ficção de outros tempos. O primeiro texto que podem ler é assinado por Pedro Martins, que hoje versa sobre um documentário que está disponível na HBO Portugal, Vitals, um retrato sufocante sobre a primeira vaga da pandemia em Espanha.

O Marco Gomes, responsável pelas imagens que acompanham os artigos e as análises do site, acedeu à sua coleção de DVD para assistir a Barbarella. Obra ralizada por Roger Vadim e protagonizada por Jane Fonda, é segundo o Marco “ficção-científica kitsch de erotismo ligeiro e humor idiota”.

Para terminar esta edição da rubrica O que andamos a ver, podemos ler os parágrafos que Filipe Urriça dedica a Guns Akimbo. A película de 2019 é liderada por Daniel Radcliffe e conta-nos a história de Miles, que descobre que tem poderes e usa-os para resgatar a sua ex-namorada.

Pedro Martins, Vitals (HBO Portugal)

São três episódios que não deixam ninguém indiferente. Vitals é uma série documental que está disponível em exclusivo no catálogo da HBO Portugal e que mostra o que aconteceu num hospital de Barcelona entre março e junho de 2020. Realizada por Fèlix Colomer Vallès, estamos perante um retrato cru do que foi a chegada da pandemia ao sistema de saúde.

Naturalmente, estamos em fevereiro de 2021 e ainda a lidar com a COVID-19, pelo que ver este documento requer alguns cuidados, recomendação que depende naturalmente de como cada um está a lidar com a situação. Mas depois de ver o trio de episódios, ter este tipo de acesso a um hospital durante a primeira vaga, é um abrir de olhos e um envolvimento pessoal com aquelas vidas.

Temos acesso às histórias de vários pacientes, à forma como chegaram ao hospital, alguns dos quais colocados em coma; temos acesso às vidas de médicos e enfermeiras que estavam na linha da frente, a maioria sem saber o verdadeiro impacto que a pandemia teria. Mas Vallès aponta também as câmaras às vidas dos profissionais de saúde fora do hospital, mostrando-nos como esta situação chegou aos seus lares.

Há pacientes que não resistem e morrem, outros recuperam e têm alta. Pelo meio, há horas de desespero, de lágrimas contidas até tal não ser mais possível. Vitals mostra os diferentes estados dos efeitos da pandemia - entre idosos e jovens, entre a esperança, o desalento, o desespero e o regresso à esperança. Vitals é poderoso: homens e mulheres que deram o seu melhor, pelos outros e por si mesmos.

Marco Gomes, Barbarella (DVD)

Como as modas existem objectos culturais nascidos em contexto muito específico e/ou cronologia sem hesitações no balizamento histórico, sendo ato de sobranceria intelectual julgá-los à luz de realidade que não essa. Outros porém nenhuma fonte da perspetiva e relatividade os lava do sarro temporal.

Barbarella (1968) de Roger Vadim é um desses casos, destacando-se como exceção que a regra confirma de rigor, tanto financeiro como em exigência qualitativa, no agremiar de novos títulos à colecção. Acontece aos melhores mas principalmente aos piores.

Baseado na série homónima de banda desenhada da autoria de Jean-Claude Forest, com primeira edição em 1962, é Barbarella ficção-científica kitsch de erotismo ligeiro e humor idiota, comungando dos ideais da contracultura surgida nessa mesma década em especial a apologia da liberdade sexual e repúdio da ação militar.

Priorizando as linhas de Jane Fonda a qualquer resquício de substrato nem o conceito “tão mau que chega a ser bom” lhe belisca a mediocridade, atestado à cabeça pela estrutura narrativa enquanto emaranhado de acontecimentos de raquítica lógica sequencial. Vá lá, ao menos permite rasgar um sorriso na literalidade do pensamento, “Tirem-me deste filme!”.

Filipe Urriça, Guns Akimbo (TVCine+)

Daniel Radcliffe terá, para sempre, a sua carreira marcada pela representação do jovem feiticeiro inspirado nos livros de  J. K. Rowling. Por isso, não acho que seja descabido dizer que a sua carreira ganhou uma certa importância a partir do momento em deixou de representar o mesmo papel nos filmes da Warner Bros.

Radcliffe sabe representar para além daquilo que marcou o início da sua carreira, foi por isso que Guns Akimbo me despertou a curiosidade quando estive a consultar o catálogo da TVCine Plus. Guns Akimbo também tem um poster muito curioso: a  personagem interpretada por Radcliffe tem duas pistolas aparafusadas nas mãos.

Em Guns Akimbo, há uma plataforma que faz a transmissão de uma competição ilegal que coloca duas pessoas a terem de se matar uma à outra. Nix, a concorrente com uma série de vitórias consecutivas, terá de eliminar Miles (a personagem de Radcliffe), assim como Miles recebeu a mensagem que o seu alvo é Nix - depois de ter acordado com duas pistolas presas às suas mãos. Nix é uma experiente assassina, enquanto que isto é tudo novo para Miles, além de ter de fazer todas suas tarefas com duas armas de fogo presas nas mãos.

Guns Akimbo acaba por ser hilariante com este conceito, ver Miles a lutar contra Nix sem conseguir acertar a maioria dos tiros ou vê-lo a fazer uma tarefa tão simples como consultar o seu telemóvel é bastante cómico. Guns Akimbo não é o melhor filme de sempre, mas diverte quem o vê e acho que com este conceito é o suficiente.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!