Como podem ver ao longo deste artigo dominical, a equipa VideoGamer Portugal volta a reunir-se para escrever sobre três obras que marcaram a semana de entretenimento dos seus membros. O Pedro Martins recorreu ao catálogo da HBO Portugal para ver - e recomendar - Mare of Easttown.

Se mistérios à volta de homicídios não são propriamente o estilo que querem apreciar este domingo de chuva, o Marco Gomes versa sobre Paisà - Libertação, filme realizado por Rossellini. Escreve o Marco que Paisà precisou de aproximadamente três vezes mais do que a média nesse período para ser gravado.

E para terminar o artigo temos a participação de Filipe Urriça, que ao explorar o catálogo da Disney+ resolveu dedicar o seu tempo ao mais recente filme da Pixar, Soul. Não será certamente uma grande surpresa constatar que o redator ficou fã da mais recente demonstração da casa californiana.

Pedro Martins, Mare of Easttown (HBO Portugal)

Mare of Easttown promete uma temporada memorável, testemunhado que está o episódio de estreia. Somos convidados a viajar até à Pennsylvania, onde Mare Sheehan (Kate Winslet) é uma agente da polícia local. A série começa com uma pacatez, mas não demora para que a tensão e o mistério passem a dominar a vida de Sheehan.

Durante o episódio, os espectadores ficam a saber que há um homicídio por resolver, o que prometia ser o veículo para alimentar a trama, caso não fosse o final do episódio revelar que a protagonista terá que aplicar o seu talento a uma nova investigação.

Sheehan tem que fazer tudo isto enquanto a sua vida pessoal não está assente nos melhores moldes. O casamento ruiu e a relação com o seu núcleo familiar não é a mais saudável. Isto funciona bem porque Winslet tem uma performance assinalável, tal como tem Jean Smart como Helen, a sua mãe. Este episódio de estreia coloca as peças em movimento de forma incrivelmente eficaz.

Aliás, vale a pena mencionar que bem após os minutos iniciais, entra em cena Richard, um professor de escrita interpretado por Guy Pearce. Com a personalidade encerrada para praticamente todo o mundo, Sheehan encontra em Richard alguém diferente, mas que naturalmente começará a revelar as suas verdadeiras camadas durante os episódios seguintes.

Teremos sete episódios na temporada de Mare of Easttown e amanhã, dia 26 de abril, o segundo ficará disponível no catálogo da HBO Portugal. Saber quem são verdadeiramente estas pessoas e perceber como é que a investigação (ou investigações) vai continuar, tudo são pontos de interesse. Resta descobrir se os restantes seis episódios vão manter a qualidade.

Marco Gomes, Paisà - Libertação (DVD)

O impacto internacional de Roma, Cidade Aberta (1945) fez a gigante Metro Goldwyn Mayer injetar capital no filme seguinte de Roberto Rossellini, Paisà - Libertação (1946), o que, agregado à conversão cambial para moeda italiana lhe conferiu desafogo orçamental expresso, desde logo, nos cerca de seis meses de rodagem quando a média à época não ia além desse terço temporal.

Melhores condições de produção não traíriam, porém, o ideal neo-realista de Rossellini, em especial seus dois mais evidentes traços estilísticos, a repulsa por gravações de estúdio em detrimento de espaços físicos não manipulados e recurso maioritário a atores com pouca ou nenhuma experiência prévia.

Mais de sete décadas volvidas continua a proposta de Paisà - Libertação a ser incomum ao meio, juntando numa longa-metragem seis episódios cuja ligação é feita somente pelo contexto histórico, envolvimento militar dos Estados Unidos da América na libertação de Itália durante a Segunda Guerra Mundial, não partilhando personagens nem quadros narrativos.

Num agregado indevidamente convincente, destaca-se a dupla final de segmentos. A visão cínica do penúltimo aos dogmas da igreja, fundamentados mais no preconceito terreno que na aspiração ascética e o derradeiro como encenação documental da máxima, a barbárie jamais pode ser romanceada.

Filipe Urriça, Soul - Uma Aventura com Alma (Disney+)

Há dois conceitos filosóficos que se confundem com muita facilidade: o Propósito da Vida e o Sentido da Vida. Estes são os alicerces de Soul - Uma Aventura com Alma, a obra da Pixar disponível no Disney+, que são explorados de forma exemplar com uma narrativa que procura dar ênfase à força de espírito, aquilo que faz de nós indivíduos excepcionais.

Acompanhamos Joe, um professor de música que não se sente realizado, sente que lecionar não é estar no topo das duas potencialidades. Por isso, quando surge uma oportunidade de entrar numa banda de jazz, aceita-a sem pestanejar. É nesta banda que poderá expressar todos os seus sentimentos, talento e criatividade nas teclas de um piano. Foi tudo o que sempre é quis, tocar jazz como um grande Duke Ellington, Art Tatum ou Oscar Peterson.

Infelizmente, acontece um azar a Joe, que o fará falhar a sua estreia na banda. Joe tem resolver este problema para conseguir atuar, para conseguir fazer o que sempre quis fazer na sua vida. É um processo importante para perceber o que realmente quer da vida, mas também para descobrir qual o é o sentido e propósito da sua existência. Seguir uma paixão pode não ser suficiente para se poder considerar que se tem uma vida preenchida.

Mais uma vez, a Pixar coloca em filme uma temática adulta, que toca quase em áreas como a Religião e a Filosofia. É um filme que fica connosco muito depois dos créditos terem passado, fi-lo não só porque escrevo esta rubrica semanalmente mas porque este filme de animação tem muito para refletir, principalmente para quem for um jovem adulto. Vejam Soul, é uma das melhores propostas do catálogo do serviço de streaming da Disney.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!