Splatoon 2 é um jogo que será maioritariamente focado no multijogador. E, como tal, o modo a solo serve como uma primeira interação com a obra, uma preparação para as competitivas partidas online. E este modo a solo, denominado de Hero Mode, é perfeito para introduzir todas as mecânicas que são parte integral do jogo. Quando as portas para as partidas online estiverem abertas, estarei mais que preparado para as exigências competitivas de Turf Wars ou as cooperativas do novo Salmon Run. Mas se há algo que se destacou deste modo a solo foram as geniais secções de plataformas, minuciosamente desenhadas, enquanto enfrentamos inimigos que disparam tinta de cor oposta à nossa.

Imagens Artigo Splatoon 2 Single Player

Marie, uma das irmãs The Squid Sisters, está à procura da sua irmã perdida Callie, a personagem que perdeu a partida do último Splatfest. Assim, a enigmática Marie leva-nos a segui-la para lhe darmos a nossa ajuda em busca de Callie. A desculpa que a Nintendo encontrou para que os jogadores dessem alguma da sua atenção ao modo para um único jogador. Os indícios de estarmos perante verdadeiros píncaros da jogabilidade de um cruzamento entre um jogo de plataformas e um shooter estão em Hero Mode. 

Ao seguirmos Marie por um tubo de esgoto vamos ter à base de operações criada para tentar resgatar Callie. São cinco sectores divididos em vinte e sete níveis e cinco bosses. Contudo, é curioso saber que não está tudo escancarado à nossa disposição para entrar e terminar um nível como já é habitual fazer nos títulos da série Mario. Nós próprios é que temos de descobrir onde estão as entradas e enchê-las de tinta para ficarem reveladas e não cobertas por uma espécie de invisibilidade. São estes primeiros momentos que nos introduzem as várias mecânicas que não sejam de disparo, apesar da vertente shooter estar intimamente ligada à da deslocação pelas várias plataformas. 

Imagens Artigo Splatoon 2 Single Player

Deslocar-se em Splatoon 2 não é uma grande novidade e quem já jogou o exclusivo Wii U sabe perfeitamente que o movimento através da tinta, enquanto molusco, é muito mais rápido e permite aceder a locais que a personagem em duas pernas não conseguiria alcançar. Um exemplo prático é o de subir para uma superfície mais elevada. Espalhem a tinta na vertical e onde não conseguiam chegar passa a ser um local simples de aceder. Ganhem velocidade a nadar na tinta e conseguem chegar a superfícies mais afastadas entre si. Ou, por último, conjuguem esta forma de deslocação enquanto lulas e plataformas nas quais podem deslizar, saltar ou atravessar, e têm a fórmula perfeita para uma jogabilidade excelente quanto ao seu carácter de plataformas. 

Esta transição entre plataformas de um nível são adoptadas no sector seguinte. Há uma continuidade entre aprendizagem, teste e adaptação simplesmente genial. O que foi implementado não é forçado, mas é claramente colocado com um objetivo bem claro, sermos capazes de ter habilidade suficiente face à realidade dos níveis seguintes. Nada que está aqui foi colocado ao acaso. Cada nível tem uma temática, um determinado tipo de arma, um inimigo, ou um objecto que servirá para nos transportar para locais previamente inacessíveis. 

Imagens Artigo Splatoon 2 Single Player

Os inimigos regressam do título anterior, colocados a dedo em posições estratégicas para nos presentear com o maior número de dificuldades possível, ou para que o jogador retire alguma informação útil, para numa futura ocasião similar, reaja ou jogue da forma mais adequada que conseguir. Contudo, o menos positivo são os bosses. 

bosses de design bastante peculiar, mas sempre na temática dos moluscos com tentáculos sempre presentes - uma indicação de onde temos de aplicar os nossos ataques. Apesar de serem o que há de menos conseguido neste Hero Mode, não deixam de ser desafiantes e divertidos de combater, onde somos obrigados a retirar o máximo das capacidades de cada arma. 

Imagens Artigo Splatoon 2 Single Player

Em suma, o cerne de Splatoon 2 é o seu multijogador, não há dúvidas quanto a esta afirmação. Contudo, se querem dar uma hipótese ao modo a solo não vão ficar arrependidos. Há muito por onde nos divertirmos, sobretudo com este level design sublime, onde há muito que colecionar e muito para evoluir o nosso arsenal. Uma paragem obrigatória antes ou entre sessões multijogador. De certeza que vão ser colocados em situações em que vão ter de se adaptar às exigências apresentadas e aí passar para o multijogador muito mais bem preparados do que quando iniciaram este excelente modo a solo.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!