A nova versão do jogo da Wii U, Super Mario 3D World + Bowser's Fury, é um dos lançamentos mais importantes da casa de Quioto no início de 2021. Como a Wii U foi um falhanço comercial, é natural que a Nintendo tente capitalizar o que foi perdido e vender a uma nova e maior audiência o que consegue fazer com jogos de plataformas de uma forma mais tradicional. Odissey é um excelente jogo, mas quebrou várias bases daquilo que a produtora japonesa costuma fazer.

A grande novidade da versão Nintendo Switch deste jogo pode ser lida no próprio título: Bowser's Fury. No entanto, esta não é a única novidade, agora é possível jogar online a campanha principal com mais três jogadores, ou seja, um grupo de quatro. Já em Bowser's Fury, podem jogar a dois, onde um dos jogadores controla Mario e o outro Bowser Jr., o filho do habitual raptor da princesa Peach. 

Super Mario 3D World é essencialmente o mesmo jogo que tiveram oportunidade de jogar há oito anos na Wii U. Na Switch, a obra tem um comportamento técnico irrepreensível, onde brilha um design de níveis sublime. Jogar online, ou com alguém ao nosso lado, não altera radicalmente aquilo que já fazemos sozinhos, mas é sempre bom partilhar uma experiência tão rica como as que são concebidas pela casa de Quioto. 

Bowser's Fury é a grande fatia de conteúdo adicional pela qual vale a pena explorar e pagar novamente por Super Mario 3D World, visto que altera alguns conceitos base do jogo ao qual está agregado. É como se fosse um jogo à parte, aliás, pode ser acedido no menu principal do jogo antes que seja iniciado o próprio 3D World. Melhor do que um multijogador online é uma aventura totalmente nova que também pode ser jogada a dois, como já referi há dois parágrafos. 

Quando comecei a jogar Bowser's Fury foi estranho; Mario encontra-se num local junto ao mar, banhado por uma escuridão causada por um céu carregado de nuvens negras e chove bastante. Mais à frente vejo uma nau que se desfez junto à costa. É neste momento que paro e penso para mim próprio: "Isto é o ambiente perfeito para um jogo com a mascote da Nintendo com um tom sombrio e soturno que parece ser muito interessante de explorar". Não tardou o sol a aparecer e a pintar o mundo com as cores habituais dos jogos de Mario. 

Quando afirmo no título deste artigo que a Nintendo foi ao passado para se inspirar não é por mero acaso. Qualquer pessoa já deve ter percebido onde é que os produtores da casa de Quioto foram buscar as bases para o conceito de Bowser’s Fury, os vídeos promocionais denunciam bem que é o jogo da Gamecube, o clássico Super Mario Sunshine.

O mundo está distribuído por várias ilhas e, por isso, como o terreno plano é reduzido, o jogo apresenta uma certa verticalidade. O objetivo passa por recolher o maior número de sóis felinos, visto que estes têm um papel preponderante para Mario poder derrotar Bowser. A jogabilidade assenta nos princípios basilares de Super Mario 3D World, tal como seria de esperar, e é bom saber que este elemento anda de mãos dadas com o design dos níveis de forma a nos proporcionar momentos muito divertidos, como já é habitual com um jogo onde Mario é o protagonista.

Obviamente que não vos posso contar tudo o que queria, por isso, até onde joguei, ainda é cedo para dizer se a excelência do design que já pude verificar se manterá constante. É muito provável que haja uma ou outra ilha que vá explorar um aspeto específico da jogabilidade, nomeadamente os poderes de Mario que podemos apanhar como o Mario Gato ou o poder que lhe permite atirar um bumerangue.

Pontualmente, Bowser ataca-vos com fogo, mostrando toda a sua fúria como nunca vimos. Mario, para conseguir atacá-lo, tem que obter um Gigaguizo para se transformar numa versão musculada de Mario Gato. Porém, não têm de assumir sempre uma atitude ofensiva, o fogo cuspido e lançado de Bowser interage com as ilhas e transforma-as, tornando os níveis do arquipélago de Lago Felisgato ligeiramente diferentes. Assim, nesta fase, podemos aceder a sítios anteriormente inacessíveis ou descobrir novos locais. 

Um outro detalhe que ainda tenho de experimentar é o multijogador de Bowser’s Fury, que parece muito curioso, visto que quem joga com Mario fica com todo o protagonismo, enquanto que quem joga com Bowser Jr. fica com um papel secundário de ajudante. Também há algumas curiosidades que ainda quero descobrir, como por exemplo o que vamos poder fazer para apanhar mais sóis felinos, para além dos que são estritamente necessários para se avançar na aventura. 

Ou seja, quero ver de que forma é que Bowser’s Fury vai esticar a sua longevidade. Enfim, ainda não sei se este é um bom jogo do princípio ao fim, mas já há fortes indícios que esta será, muito provavelmente, uma obra facilmente recomendável - são raros os jogos da série Super Mario que não o são.

Super Mario 3D World + Bowser's Fury será publicado em exclusivo na Nintendo Switch dia 12 de fevereiro, 2021.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!