A Nintendo quer oferecer “novas experiências de jogo” com a sequela de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, segundo foi revelado numa entrevista com designers que trabalharam no primeiro jogo (via Segment Next).

Uma sequela para Breath of the Wild foi uma das surpresas que marcaram a presença da marca nipónica na E3 este ano. Originalmente planeado como um DLC, tornou-se evidente que a equipa tinha ideias muito maiores do que o conteúdo adicional.

Eiji Aonuma, produtor da série, comentou que “o DLC não é suficiente e é por isso que pensamos que talvez uma sequela seria um bom encaixe. Inicialmente estávamos a pensar apenas em ideias para o DLC, mas depois tivemos muitas ideias e dissemos, ‘Isto são demasiadas ideias, vamos antes criar um novo jogo e começar do zero’”.

 “Uma das razões pelas quais quisemos criar uma continuação é porque quis visitar novamente aquele Hyrule e usar aquela espada novamente, enquanto incorporava nova jogabilidade e uma nova história,” explicou.

Agora foram revelados alguns detalhes sobre a nova jogabilidade que estará presente na sequela, graças à mencionada entrevista com os três designers de Breath of the Wild. O trio falou sobre a jornada de desenvolvimento do primeiro e conversou sobre as novas vagas de emprego no estúdio.

“A continuação está em desenvolvimento neste momento. Por agora ainda não podemos comentar muito sobre o jogo, mas o nosso objetivo é oferecer novas experiências de jogo que suplantem as do primeiro jogo, por isso vamos precisar das habilidades de muitas pessoas para criarmos este novo jogo,” comentaram.

“É essa a razão pela qual estamos à procura de novos designers de terreno na Nintendo,” é ainda mencionado na entrevista. A sequela de Breath of Wild vai usar o mesmo mapa do jogo original, mas com uma possível reviravolta, explorar a totalidade de Hyrule.

Novos designers de terrenos insinua um novo olhar ou novas funcionalidades acrescentadas aos locais familiares do mundo, o que adicional combustível aos rumores de que Ganondorf poderá estar presente. A sua ressurreição poderá alterar os cenários e poderá causar a separação de Link e Zelda, permitindo que Zelda seja a protagonista jogável.

Quando foi questionado sobre essa possibilidade, Aonuma disse simplesmente “não te posso dizer”. Ainda que os fãs se tenham apaixonado pelo novo penteado de Zelda, os criadores mais atentos notaram que esse estilo pode ter sido criado para imitar o cabelo de Link e assim tornar mais fácil o processo de Zelda, copiando as animações de Link para o seu novo modelo. Obviamente, nada disto foi confirmado oficialmente.

Independentemente das novas experiências de jogo que vá oferecer, a sequela de Breath of the Wild ainda estará certamente a vários meses de distância. Antes, já no dia 20 de setembro, a Switch recebe em exclusivo The Legend of Zelda: Link's Awakening.

Continuem a conversa nos fóruns VideoGamer!